Posts

Showing posts from December, 2017

Individual e coletivo

Image
“O crescimento populacional transfere a iniciativa do indivíduo para a coletividade”, diz Ilya Prigogine.

A transferência da iniciativa do indivíduo para a sociedade não é apenas uma decorrência do aumento populacional, ela é, fundamentalmente, o resultado da alienação, da massificação necessária para suprir, prover e atingir mais-valia de todo o capital investido e propiciado pelo aumento populacional.

Controle de funcionamento, apropriação de ideias - à medida que são estabelecidas as convergências necessárias - fazem o caminho necessário para homogeneizar e massificar o homem e têm um intenso efeito no sentido de seduzir e consumir as demandas sociais. Embriões desse processo foram denunciados pelos luditas no séc.XIX, foram filmados e explicitados no Metrópolis, tanto quanto mostrados como nosso futuro próximo, no Blade Runner.

Organizar é, às vezes, uma forma de neutralizar iniciativas à medida que se cria um amplo campo para abrigá-las. Sociedade, escola, famílias que seguem ess…

“É melhor chorar em um Rolls-Royce que em um bonde"

Image
É melhor chorar em um Rolls-Royce que em um bonde”, assim escreveu Françoise Sagan nos anos 1960, ou, como muitos dizem hoje, “é melhor chorar em um carro próprio, que em um ônibus”, enfim, é melhor sofrer com dinheiro, com recursos, com possibilidades de saída, que sem as mesmas.

A questão, o dilema, a frustração não deve ser colocada nessa valorização restrita: ter ou não ter dinheiro, ter ou não ter recursos. Isso não é o fundamental, não é o desesperador, o aliviante. A questão é colocar outra perspectiva, coisa impossível quando se está movido pela sobrevivência, e pelo que se acredita ser a melhor maneira de realizar desejos.

O importante é não chorar, não sofrer, é aceitar limites enfrentando-os e ultrapassando-os. Sofrimento, doenças não se destacam quando os mesmos são integrados e aceitos como continuidade do existir, como modulação e frequência do estar-no-mundo. Não existe o contínuo mal, nem o contínuo bem, muito menos o mais-ou-menos. O que existe é integração com o qu…

Abandono

Image
Situações de abandono se caracterizam por desespero, desamparo, perda de perspectiva, medo e desolação por parte de quem é abandonado. A irreversibilidade dessa situação é vivenciada como perda, falta e fatalidade.
Surpresa abrupta caracteriza o sentir-se abandonado e é geralmente expressa pela sensação de sentir fugir o chão dos pés. É o desamparo, a perda de referências e de apoio. É ficar perdido no incomensurável instante do nítido desaparecimento.
Nas separações de casais, geralmente o abandono é vivenciado com desespero substituindo os apoios desmantelados, com a estranheza, a vivência da rejeição, a recusa a aceitar a nova realidade imposta, assim como a raiva ou a depressão. O “olhar de adeus”* que gera descrença, que quebra todas as certezas, atormenta e cria desejos de vingança. “Que a saudade é o pior castigo”** exprime nitidamente o vazio causado pelo abandono, pela falta.
Nas organizações e comunidades a ruptura gerada pelo desaparecimento de um membro é sempre desestabi…

Jogo de ilusões - ilusões dando certezas e apegos

Image
Real é o percebido, real é o aparente, consequentemente toda realidade é ilusão quando percebida em função de a priori, de metas e desejos. Só podemos entender realidade e ilusão como resultantes da percepção, da reversibilidade contextual que lhes dá significado.

Identificar ilusão e realidade é uma aspiração constante. São conceitos que se misturam seja nas manipulações religiosas, nas licenças poéticas ou na neurose.

Jorge Luis Borges dizia que "facilmente aceitamos a realidade, talvez por intuirmos que nada é real".

As ilusões são implicitamente o amparo do real enquanto fundo que suporta o percebido. As implicações, as decorrências caracterizam a ilusão, o não percebido. Nesse sentido, a frase de Borges ganha dimensões mais abrangentes e válidas à medida que, deixando de ser apenas um jogo de palavras, passa a explicitar a vivência do real e sua aceitação.

Baseando-me nas relações de figura-fundo nas leis perceptivas que atestam que o fundo é o estruturante, nunca per…