Postagens

Mostrando postagens de 2019

Humanidade

Imagem
Uma de nossas características mais marcantes é a possibilidade de perceber e categorizar e assim entender quem somos e como agimos, entender os acontecimentos e organizar nossa convivência, nossas vidas em comum. Criamos as regras, nos adaptamos aos valores e enfrentamos disputas, conflitos diversos, desvios, ameaças às definições que assumimos como definidoras de nossa humanidade. A capacidade de se sensibilizar com o outro é um desses pilares definidores. Ser afetado pelo outro não só demonstra que o percebemos, mas também que nos envolvemos com ele, nos dirigimos a ele, o cercamos, implicamos nossas vidas mutuamente, enfim. Que outro fundamento poderia definir melhor “humanidade”? Afinal não é ao conjunto, à vivência em comum, que esta palavra se refere? Mas conjuntos são abstrações conceituais e a humanidade é, supostamente, formada por seres humanos, por indivíduos. O indivíduo, para ser reconhecido como humano, precisa exercer, atualizar os valores que definem sua humanidade, s…

Desejos - ausência de questionamento

Imagem
Cada vez é mais constante correr atrás da cenoura na testa, os incentivos, a exacerbação gananciosa como maneira de justificar, realizar e se sentir feliz por estar vivo. No sistema atual, o mais desejado é ter dinheiro, ser rico, ter segurança econômica para tudo realizar e fazer. Todos em função de ganhar dinheiro. Só se olha nessa direção, para cima. Não se enxerga o que está do lado, e assim todos se sentem iguais: buscam o mesmo objetivo. Querer a melhoria, querer ser rico, iguala. Todos estão irmanados em vencer ou vencer. Essa polarização unifica pessoas e situações díspares. Nessas motivações as diferenças sociais e econômicas pouco significam. Qualquer um pode enriquecer: modelos, jogadores de futebol, empresários, ganhadores de loterias, enfim, tudo depende da realização do que se deseja, do polarizante atingido. A meta de ganhar dinheiro, unifica a todos. Não se considera nenhuma especificidade, companhia ou área de trabalho responsável por isso, o que se considera são aca…

A dor

Imagem
Geralmente todo corte abrupto é sem anestésico. Psicologicamente, a vivência da dor, da falta de alguém, por exemplo, ou do medo ou traição causada pelo próximo cria paroxismos dolorosos. A continuidade dessa vivência gera hábitos como maneira de suportar o vivenciado de deixar de sofrer ou de ter dores, mas é ficar na expectativa do inesperado que pode ser mais doloroso. Apanhar dia sim, dia não, seja do pai, da mãe, do marido ou do amante cria regra. Frequência que passa a modular pelos seus intervalos: as intermitências preparam os momentos para apanhar. Conviver com o que maltrata ou destrói é, muitas vezes, viciante.

Na sociedade, as explicações econômicas e as atitudes dos exploradores passam a ser bem esperadas pois trazem pão, água e às vezes afagos. Come-se o pão que o diabo amassa para se chegar ao alívio da fome ou até para se chegar a Deus. Assim, o conformismo é muito oportuno, é pela submissão que se sobrevive e continua sendo alimentado e mantido. “O homem é o aprendi…

Exílio e esquecimento

Imagem
Ser exilado da própria terra, do lugar onde se nasceu e vive, seja por guerras, fome ou perseguição político-ideológica deixa marcas, resíduos não superados. A expectativa do não mais sofrer torturas nem abusos, como aconteceu aos presos políticos da ditadura brasileira de 1964; o ter se salvado dos campos de extermínio nazistas por fração de minuto na saída de um trem de prisioneiros, são vivências que marcam e dificultam flexibilidade e disponibilidade. Imaginar que poderia ser aprisionado, ver que milhões de outros foram exterminados ou torturados são referenciais que causam tristeza, desesperança, medo e mágoa.

A construção de novas vidas supõe quase um apagar das anteriores. É uma transformação, às vezes uma violência que se exige. Tem que desaprender, esquecer, deslembrar, como dizia Fernando Pessoa. Parir-se de si mesmo e por si mesmo é um acontecimento que ultrapassa todas as identidades construídas e adquiridas. Mas a terra nova apesar de estranha é também familiar, pois é a…

Legalidade e legitimidade

Imagem
Legalidade não significa legitimidade. Discussões em torno do que é próprio, adquirido, legítimo, natural, em geral se constituem em divagações sobre as realidades discutidas ou questionadas. Essa técnica ou essa síntese das contradições pode legalizar, mas não legitima. O legítimo dispensa construções em torno. Luypen, fenomenólogo, já escrevia: “quando se trata de direito, não há legitimidade”. Não se discute a legitimidade da fala, embora se possa discutir sobre o direito de falar, proibindo ou permitindo.

As relações configuradoras de legitimidade são intrínsecas ao legitimado, enquanto as relações configuradoras de legalidade sempre são extrínsecas ao legalizado. Esta questão sobre ser intrínseco ou extrínseco é fundamental, pois estabelece direções e cria também distopias. O legítimo não impõe, nem resulta de processos, é o próprio configurador de estruturas, de situações. Quando se tenta julgar ou afirmar legitimidade, já se incorre em complexidades, pois afirmar legitimidade …

Estratégias

Imagem
Estratégias são constantes como maneiras de atingir objetivos. Nem sempre os objetivos significam realizações materiais, às vezes eles significam camuflagens e como tal não deixam de ser uma realização enquanto ação com o único objetivo de esconder.

As imagens fabricadas decorrentes dos processos de não aceitação de si, das origens familiares e realidade sócio-econômica levam as pessoas a inúmeros disfarces, a criar infinitas estratégias. Compensar, dissimular fracassos, ou o que se quer evitar que seja descoberto, é constante.

Nosso sistema sanciona e incentiva as estratégias: das plásticas rejuvenescedoras, às atitudes pseudo generosas e solidárias - por tabela - quando se quer demonstrar boa formação social e humanista.

A política é um campo fértil para estabelecer estratégias: o sorriso amoroso, o abraço afetuoso em crianças,  as visitas e o tempo gasto nas periferias das cidades, e exibido pelo marketing, são poderosos ingredientes de vários articulações.

O disfarce, o atalho…

Às apalpadelas

Imagem
De esbarrão em esbarrão se consegue descobrir o que evitar e por onde andar, assim como consagrar a experiência como uma chave que tudo abre e ilumina.
Sem apreender as relações que constituem os fenômenos, a totalidade do que aparece se parcializa, dicotomizando o vivenciado. O todo não é a soma de suas partes, ele é o qualitativo que tudo esclarece, daí ser apreendido por meio de insights - apreensões súbitas de suas relações constituintes. As distorções na percepção da totalidade descaracterizam o vivenciado enquanto presente, pois o que se percebe é inserido em outros contextos. A conhecida parábola do elefante e dos homens cegos é  emblemática: um grupo de homens cegos, que nunca se depararam com um elefante antes, tentam defini-lo tocando partes de seu enorme corpo. Cada cego sente uma parte do corpo do elefante, mas só uma parte, como um pedaço de uma pata por exemplo, ou a trompa, ou a orelha. Então, cada cego descreve o que percebe, baseando-se em suas experiências localizad…

Escapatórias

Imagem
Diante de impasses ou opressões os indivíduos buscam espaço para respirar e sobreviver. É o deslocamento. Densificar esse anseio é necessário e assim amuletos e preces surgem. Alguém vai ajudar, alguém vai libertar. Fórmulas mágicas podem criar super heróis, Hulks, Golems que tudo resolvem.
O que foi criado não obedece ao seu criador desde que ele é fruto de desesperos e impasses, ele é apenas uma quimera. Um sonho. O príncipe encantado que vai tirar da pobreza, o bem amado que vai surgir para acalentar e acompanhar as noites vazias são esperas constantes. Vive-se para realizar o sonho. Tanta dedicação ao não existente cria cogitações, fantasias e assim o que se necessita que apareça começa a povoar sonhos e delírios. Exigências de fidelidade, provas de crença são frequentes. O dia a dia é preenchido pelas preocupações de quando o eleito aparecer, “quando o carnaval chegar”, quando o mundo mudar. Desde a constante espera da noite feliz de natal até o regozijo pelas eternas esperanças…

Rejeições sistemáticas e apropriações indébitas

Imagem
Rejeições sistemáticas e apropriações indébitas - esse é o processo vivenciado por certos indivíduos em relação aos pais quando são continuamente rejeitados, nunca aceitos pelo que são e submetidos a constantes sugestões, como: “fique melhor, faça alguma coisa, deixe de ser assim, me ajude, cuide de mim”. Esse processo cria submissos, sobreviventes e insatisfeitos, dedicados a conseguir um lugar ao sol, uma mão amiga ou algo significativo que valide sua existência. Ser um grande médico, um cientista que salve a humanidade, um artista maravilhoso seria redentor. Este lugar dos sonhos, se atingido, é mais esvaziante, pois não significa enquanto o que é, significa pelo que deve ser. É mais um elo da escravidão, mais uma garantia para preencher os temores da rejeição. No entanto, na velocidade e dinâmica de novos processos, o indivíduo sucumbe ou seu trabalho, sua trajetória pode trazer outras dimensões, um novo espelho no qual se percebe. Surge mudança, ele vê sua capacidade, se vê como…

Transformando resistências

Imagem
Enfrentar ou cortar o que atrapalha e impede é uma maneira eficiente de abrir perspectivas, tanto quanto de transformar situações. Geralmente o que se erradica e enfrenta em determinados contextos permanece indene em outros. A continuidade do que atrapalha é preservada numa ilha de vazio. Ao longo das jornadas tudo fica renovado, porém sem questionamentos à suas estruturações originantes. É o amor exigido da mãe que se abandonou após longo desentendimento, por exemplo; são também situações de renúncia que se caracterizam pela dificuldade assumida. Quando permanecem resíduos, quando o corte não remove tudo, começam a surgir bloqueios e desvios causados pelos remanescentes. Nesse processo podem ocorrer deslocamentos responsáveis por comprometimentos imprevisíveis: angústia diante do sorriso de uma criança, choro repentino por um canto de pássaro, impossibilidade de criar o próximo cenário da peça na qual se trabalha, incapacidade de criar. A angústia gerada pela constatação das impossi…

Limitações

Imagem
Por que é mais fácil se deixar explorar do que reagir à exploração?

Por que é melhor se submeter ao companheiro que espanca do que o abandonar?

Por que é melhor silenciar diante de abuso sexual, físico ou econômico do que denunciar?

Por que é mais fácil procurar um médico do que um psicólogo?

Por que é mais fácil dizer que o problema é do outro do que de si mesmo?

Por que é mais fácil esperar que as coisas se resolvam do que enfrentá-las?

Por causa do medo - omissão -, da esperança que Deus ajude; por causa das capitalizações, das conveniências e deslocamento, enfim, por causa das necessidades não satisfeitas, desde fome, sono, sexo até o emprego que não vem, o indivíduo precisa sobreviver. Nessa dinâmica ele é apenas o animal mais desenvolvido, e segue a manada, segue o rebanho. Busca sobreviver, cumprir as ordens que seus mestres, seus patrões, seus protetores ditam e organizam.
Humanidade sobrevivente é por definição não humana, é um conjunto de máquinas e animais bem treinado…

Sistematização

Imagem
Ao sistematizar se transforma dificuldades pelo fato de criar padrões, de estabelecer limites que possibilitam continuidades. Ocupar espaços, perceber novas configurações é uma maneira de estabelecer critérios que definem a continuidade.
Transformar as vivências em motivações, em padrões que permitem sistematização automatiza o cotidiano, transformando também o indivíduo em robô, maquina bem cuidada para realizar funcionamentos.
A sociedade, a família, a empresa sistematizam e cabe ao indivíduo perceber esses processos como referenciais, chão por onde caminha, mas sempre questionando onde leva esse caminho e que paisagens oferece.
Se perder na estabilidade é uma forma de despersonalização. Se encontrar na desestabilização é também uma forma de despersonalização. Só por meio de constantes questionamentos se vivencia o que ocorre, o presente que tudo personaliza.
Utilizar apoios e engrenagens é apassivador. A vida é para ser vivenciada, não há onde chegar, nem de onde partir. Esses …

Definição e conceituações

Imagem
Impossível definir alguma coisa sem inseri-la em seu universo conceitual, mas essa impossibilidade é cotidianamente o mais fácil e frequente, e assim, tudo é definido, decifrado e explicado.
Vamos nos deter na questão do igual ou da igualdade. O que é igualdade enquanto relacionamento, enquanto vivência e constatação? É fácil pensar, entender e verificar os vários níveis de igualdade, mas tudo se complica ao se perceber que o igual ou a igualdade só pode existir em relação a alguma outra coisa ou a alguém, enfim, debaixo, atrás da igualdade, amparando-a e determinando-a está a comparação.
Esse processo, esse comparar, destrói ou realiza a ideia de igualdade? Percebemos uma forma, dizemos que é um triângulo, que são retas em outras posições, outras configurações, mas o plano é o mesmo, é igual. Igual a quê? Compara com o quê? Essa imprecisão e incerteza assolam o cotidiano. O outro é o semelhante que é também o diferente. Semelhante e diferente enquanto roupas que usa, posse de dinhe…

Esmagadura

Imagem
Quanto maiores são as expectativas, desejos e metas, maior o medo do futuro. São altos e baixos, esperando e torcendo por bom resultado, que tensionam e geram ansiedade. Conviver com a ansiedade equivale a ser envolto em densas fumaças que impedem ver e respirar, enfim, impedem tudo fazer.
O deslocamento das expectativas em função do que vai acontecer geralmente é caracterizado sob a forma de medo, nome dado à paralisia da imobilização, à impotência que é transformada em omissão. Estar omisso, paralisado é o medo.
A vivência de não ter saída e a continuidade desse processo torna exíguo o dia a dia. O espaço comprimido gera angustia, taquicardia, desespero, ódio, raiva. A pluralidade de sentimentos é tão densa que esmaga, consequentemente esvazia. Não se sabe mais o que fazer. Surgem clichês aplacadores: os bons vencem, Deus ajuda, os poderosos sempre ganham. Perdido nessa miríade de conclusões e constatações desvitalizadoras o indivíduo sobrevive como vítima que precisa de apoio, d…

Desvinculação de responsabilidades

Imagem
Nas vivências autorreferenciadas nas quais tudo se configura em função dos próprios interesses, justiça, solidariedade e responsabilidade em relação às próprias obrigações e deveres não existem.

Na esfera individual isso é problemático e quando desenrolado em ambiente familiar cria muitas dificuldades e abusos. Sociedades doentes, precárias, resultam de famílias doentes no sentido de membros autorreferenciados nos próprios interesses. Os ricos esperam e fazem com que os filhos tenham destaque e sucesso, os ladrões ensinam os filhos a roubar e os pobres/remediados lutam para que os filhos consigam o que eles não tiveram. Não há ideia ou conceito de convivência. O que existe são regras e métodos para conseguir, para se eximir de responsabilidades e de punição.

Nas sociedades latifundiárias grilar as propriedades alheias era e é uma forma de enriquecer e nessas sociedades leis e tribunais foram criados para permitir isso, para absorver e absolver.

Atualmente, a impunidade, os “colari…

“Abra a porta do avião que eu quero saltar”

Imagem
“Abra a porta do avião que eu quero saltar” é o que se pensa diante da dinâmica avassaladora da omissão, do medo, do pânico autorreferenciado.

Querer negar o processo, buscar apagar e transformar em irreversível tudo o que se faz, é a saída mestra do arrependido, do incapacitado pela paralisia do instante. É o desespero diante do imponderável, diante do irreversível - é o pânico.

Não aceitando a reversibilidade e continuidade dos processos, o indivíduo tem ações prepotentes e onipotentes que ele acha que o colocariam em outras dimensões. Esta atitude mágica, se persiste, cria o alienado. A alienação - o desespero diante do cotidiano - é gerada pela não aceitação dos próprios problemas, gerada também pela constatação da própria impotência e incapacidade.

O ato desesperado de buscar saída, ou não saída, resulta de oportunismo nascido da vitimização e inveja. Chamar a atenção, pedir, desesperar-se tem sido a moeda de transação. Esse se expor é o que tem dado resultado. Os gritos e berr…

O outro como obstáculo

Imagem
Não conseguir perceber o outro enquanto ele próprio cria um sistema de utilização do mesmo. Nesse sistema as pessoas são úteis ou são obstáculo. Como obstáculo têm que ser eliminadas, destruídas. Não é João ou José no caminho, é um monte de coisas que tem de sumir. As violências - psicopatias resultantes do autorreferenciamento - demonstram isso. Autorreferenciados esses  indivíduos não percebem que estão com outros seres humanos, se percebem rodeados de coisas que ajudam e satisfazem desejos ou atrapalham. Justificam-se pensando: “não matei ninguém, apenas retirei o que obstruía meu caminho".

Além da violência dos extermínios, temos o roubo, apoderando-se do que precisa - para usar ou vender - e temos também as invejas e ciúmes, gerando destruição dos outros à volta.

Viver sozinho, transformando o outro em apoio ou obstáculo estabelece violência, estabelece medo, estabelece desejos e motivações nas quais o semelhante existe como peça da engrenagem. O indivíduo se percebe com …

Educação e alienação

Imagem
Os processos educacionais, por definição, são fundamentais para o indivíduo à medida em que o habilita para estar no mundo com os outros. Educação é um processo basicamente proporcionado pelo outro e assim representado pela família, pelos parentes. Chegar à escola é encontrar um prolongamento desse processo, ou, às vezes, sua obstrução pelo antagonismo aos valores familiares. Famílias estabelecidas em critérios de disponibilidade, individualidade e autenticidade, de repente têm seus filhos esbarrados em escolas conservadoras e discriminatórias, por exemplo, onde se ensina técnicas, se ensina a ler e escrever, e também são acentuados conteúdos alienadores que precisam ser neutralizados pela família.
Necessário preparar o filho para viver esse antagonismo não esperando que a escola individualize, sabendo que ela pode polarizar divisão, enfraquecendo critérios de autonomia e liberdade. Como Ivan Illich falava, as escolas que não se baseiam em convívio e autonomia, são manipuladoras, hi…

Vida para depois

Imagem
Alguns indivíduos, como formigas operárias de construção, amealham e organizam o cotidiano em função de conquistas para, um dia, utilizar esses resultados.
Postergar, querer deixar a vida para depois gera desespero, frustração, tanto quanto pessoas esperançosas e cheias de ânimo. Acontece que esse processo mecaniza, deixa rígidos os que ficam preocupados em realizar, em conseguir o bom e evitar o mal. Chega o dia em que processos de construção e expectativas se realizam: o casamento, a formatura, a aposentadoria e o que se conseguiu não é mais massa de manobra, passa a ser impedimento, obstáculo que deve ser transposto para se viver feliz e bem. O casamento, por exemplo, trouxe responsabilidade e situações que impedem o que se queria realizar no futuro, a profissionalização obriga a novas construções e na aposentadoria tudo foi conseguido, não é necessário mais trabalhar, entretanto falta perna, falta ar, falta vigor. A partir de então as construções passam a ser realizadas em outras…

Abulia e medo

Imagem
Não querer, não ter vontade de fazer nada é abulia. Essa neutralização das motivações transforma o indivíduo em máquina captadora de demandas. Reagir e responder da melhor maneira é a forma que ele encontra para se locomover em sua pequena área de segurança. Essa locomoção é um posicionamento. Só pensa e faz o que não prejudica e ainda o que melhora. Acontece que mesmo mecanizado o ser humano é um ser vivo, ele sofre, decide e estabelece processos.
Quanto mais posicionado em seus medos e avaliações, mais enrijecido, menos dinamizado, movimentando-se apenas pelo sim e pelo não, pelo que satisfaz e pelo que frustra. Nesse compasso pendular, sua oscilação se faz ao fugir da dor, ao buscar o prazer e assim sua construção de trajetória, seu plano de ação é retraimento, anulação. Desse modo se consegue transformar vontade, motivação em abulia - falta de vontade - criada pela filtragem das contabilizações e medos.
Tudo que é pesado, medido e contado, recebe valores agregados que podem tra…

Segurança econômica como libertação e realização

Imagem
Viver em função da necessidade de superar as próprias carências econômicas e sociais, galgar os degraus da melhoria econômica faz com que se seja aceito e considerado socialmente. Essas ideias se transformam em conceito - só significa quem tem dinheiro - dando suporte às ações dos empreendedores e também dos emergentes, tanto quanto de inúmeras pessoas que se reduziram a essa situação econômico-social.

São equivalentes a Midas, que tudo que tocava virava ouro e assim morria de fome, não podia comer pão nem maçãs de ouro, pomos discordantes que não saciavam a sua fome. A única diferença é que os processos variam no tempo. Para Midas não houve sequência, instantaneamente percebeu a possibilidade de sobreviver - ia morrer de fome. Para os emergentes e os que tudo fizeram para enriquecimento, enriquecer era a solução mágica para seus desejos e frustrações, virar rico tudo resolvia; só que quando o processo se efetiva o que se vê é um monte de ouro que tem que ser cuidado, administrado e…

Antecipação

Imagem
Certezas antecipadas deprimem ou geram euforia.
Saber que tudo começa e termina, que os processos existem, é entrar em circuitos infinitos. Quando isso acontece, as vivências se impõem e as certezas são suspensas. É o transpor de limites que tudo muda.
Não necessariamente o que acontece mil vezes se repetirá a milésima primeira vez, como falava Kurt Lewin. Fazer a conta, ou seja, contabilizar é uma maneira de se retirar magicamente do que ocorre. Ou se vivencia, ou se contabiliza, isto é, contabilizar é uma vivência que superpõe e anula a outra vivência. Dois corpos não podem ocupar o mesmo lugar no espaço. Essa superposição nega e resgata. Nega e resgata o quê? O que se pretende? Chegar onde? Os processos voltam a ser antecipados, é a certeza necessária que preenche o vazio do medo e da dúvida. A continuidade disso provoca compulsão: é preciso controlar, é necessário adivinhar para manter a antecipação.
Nosso sistema econômico-social - capitalismo de mercado - oferece sinalizaçõe…

Inexorável

Imagem
Inexorabilidade é o que caracteriza os processos quando considerados sob o ponto de vista da continuidade, do movimento. O movimento é inexorável, consequentemente há transformação, e é essa constante contradição que estabelece vida, morte, ordem, desordem. O desenvolvimento de qualquer processo, dos orgânicos, dos sociais e econômicos aos psicológicos é gerado por expressão de suas estruturas. Essa inexorabilidade processual ilude, manifesta-se como permanência e assim é caracterizada em um mundo onde tudo é impermanente. Essa contradição só é apreendida quando se configura o denso e o sutil, o aparente e o real.
Toda dualidade inexoravelmente conduz, expõe a unidade: a expressão, a manifestação do que ocorre, do que acontece. A descoberta das próprias não aceitações é um processo que inexoravelmente conduz à mudança quando se questiona as imobilizações, tanto quanto quando se nega essas imobilizações surgem divisões, mentiras e utilização das descobertas como dogmas e regras expli…

Inesperado

Imagem
Inesperado é o que solapa ou o que magicamente realiza desejos e sonhos.
Estar à mercê nem sempre é uma atitude que se escolhe. O acaso permeia e situa tudo que está em nossa volta. O acaso e a necessidade, a contingência e o limite, o possível e o impossível, o desejo, o mundo, a vida, a morte, tudo isso se constitui no processo esperado e inesperado. As perpendiculares que se cruzam, que se encontram, que se esbarram são o inesperado, o próprio do processo tanto quanto seu impróprio, seu avesso.
Uma paixão, um desejo, um cair doente são inesperados, entretanto, só acontecem a alguém ou a alguma coisa, ou seja, tem sempre um ponto de encontro, de captação.
As grandes tragédias inesperadas são, por definição, sempre esperadas: é a falta de manutenção do avião, é o erro de sincronização, é a confluência do absurdo no real, é o encontro. Coincidir é esperar, é ter o espaço e o tempo para receber, tanto quanto o inesperado é o incongruente, o que não coincide. Às vezes o inesperado coi…

Imprevisto

Imagem
O que não foi imaginado, ou ainda, o que não foi considerado, se constitui no imprevisto que neutraliza processos ou que, ao criar contradições, transforma em impasse a continuidade. Tsunami, morte, acidentes são imprevistos do ponto de vista de quem os sofre, tanto quanto são meras decorrências e continuidades processuais. Pensar que certas coisas estão fora de cogitação cria outras modalidades que açambarcam expectativas, escondem evidências e passam a ser vivenciadas e percebidas como imprevistos. Viver em função de objetivos, de resultados unilateraliza e assim fica-se cada vez mais à mercê dos imprevistos.
O vencer ou vencer, o não ter condição de aceitar perdas vulnerabilizam. Transformar inúmeras variáveis em poucas ou únicas possibilidades é esvaziador. A certeza é um aniquilador de possibilidades quando passa a se constituir em apoio. A variação infinita e ambígua resulta da falta de referenciais estabelecedores de sua dinâmica. Não há eixo, tudo pode acontecer. Essa possib…

Humano considerado humano

Imagem
Considerar humano como humano seria o óbvio. Perceber o outro, perceber a si mesmo como ser humano seria a constatação frequente de todos que lidam entre si. Esse óbvio é negado por construções aleatórias determinadas por valores restritivos. As diversas crenças e fés religiosas discriminam. Fazer parte de religiões e iniciações impõe rituais e regras que quando não atendidas criam os ímpios, os “filhos de satanás”, os bruxos, as bruxas. As ordens econômicas determinam os que mandam e os que obedecem. Visões preconceituosas estabelecem os que são normais, pecadores, doentes, saudáveis, consequentemente os que têm direitos, os que são seres de bem, seres humanos.
De tanta fragmentação do conceito de humano é muito raro considerar humano como humano. Classificações como as de baixa-renda ou de grande poder aquisitivo, de merecedor de milhões de clicadas, tudo isso transforma a humanidade em pigmentado cipoal, selva onde é muito difícil perceber o humano como humano.
Nietzsche falava n…

Consumir

Imagem
Cinquenta anos atrás, consumir era sinônimo de alienação. Atualmente, consumir é um vetor de realização social. Quanto maior o consumo, maior a riqueza e a possibilidade econômica. Hoje em dia é por meio do sucesso econômico que se constrói o lugar social e nesse sentido os que não são bem sucedidos são alijados. Consumir é significar. Esse fazer parte individualiza por meio do pertencimento à equipe, é o team que se estende até a locais de entretenimento ou de moradia. No livre mercado o que importa são as moedas de transação. Ter o que vender e poder comprar estabelecem circuitos nos quais circulam o necessário, mesmo que indevidamente. Os que estão na base da pirâmide servem de apoio para que poucos atinjam seu topo.
Tudo pode ser consumido, do próprio corpo à própria cabeça e alma. Autoconsumir-se obriga à criação de aparência, utilizando imagem, apoderando-se de narrativas sancionadas como edificantes e válidas. Esse processo canibaliza e esvazia, expressando-se de diversas mane…

Ressentimentos e submissão - Ética do oprimido

Imagem
Nietzsche dizia que “a moral do ressentimento é a moral do escravo”. O ressentimento agrupa e comanda pessoas submetidas a medos, ódio e raiva, e é nesse sentido que Nietzsche fala em escravos, ou seja, alguém que é diferente do homem livre, pois sem autonomia está submetido a seus opressores.
Ter inveja, ter ódio, ter mágoa e não poder expressá-las produz ressentimentos e frustração. São as vítimas oprimidas que escolhem sempre bodes expiatórios para extravasar seus medos, seus ódios, ou pior, utilizam sugestões, aceitam bodes expiatórios para drenar seus ódios. No nazismo assistimos às multidões ressentidas e determinadas destruirem sinagogas. Nas atuais sociedades democráticas, a política, as redes sociais, os pilares democráticos corroídos e destruídos servem para veicular ódio, medo, rejeição a determinados segmentos sociais e étnicos. Ter inveja e raiva e não conseguir expressá-los por medo e submissão, seja a familiares, cônjuges ou ao poder social, cria os dependentes, os sub…

Marcos civilizatórios - Duas ceias

Imagem
O ir além do próprio dia a dia da sobrevivência e manutenção constrói dimensões diversas para o humano. Acompanhar o processo de seu estar no mundo, configurar e atribuir significados aos mesmos estabelece rotinas e rituais. A descoberta do fogo, possibilitando cozinhar, leva a abandonar o cru e, assim também o perecível, o que não repõe o necessário para a nutrição. A longevidade, a durabilidade do que é caçado como alimento que supre, foi conseguida. O fogo conserva! Essas pequenas descobertas no mundo pré-histórico equivalem à descoberta do transistor. Portabilidade, adequação e simplificação permitem ritualizações que transcendem o mero caça-coleta que caracterizava as sociedades antigas.
George Steiner, no final de seu livro “Nenhuma paixão desperdiçada”, ao contar a experiência de inúmeras significações, a complexidade cênica e os jogos dinâmicos entre sutileza e generalidade, enfatiza nosso legado cultural marcado por duas ceias: o banquete de Platão e o Evangelho do Apóstolo …

Prudência

Imagem
Atitudes prudentes são sempre expressões, até mesmo sintomas, de medo ou de coragem. Essa dualidade antagônica pode ser entendida quando se configura o prolongamento do ponto que unifica a contradição. A cautela que caracteriza a prudência pode estar encobrindo medos e ambições ou impulsionando coragem e transformações.
Ter uma meta, objetivo ou sonho desvinculado da própria realidade e contextos estruturantes, obriga à busca de apoios, sejam como empréstimo ou adoção. Pedir, conseguir o empréstimo nem sempre é fácil, requer astúcia fantasiada de prudência. O astucioso tem sempre medo de ter seus objetivos descobertos. Seus propósitos, se revelados, fracassam, e assim seriam negados ou imitados; daí astucia, medo, covardia, prudência serem seus aliados, seus instrumentos, suas armas de guerra. Quanto maior a prudência, maior a possibilidade de conseguir, de enganar.
Prudência diante do emaranhado de desvios, das nuances arbitrarias que impedem a livre realização da autonomia, das de…

Perseverança

Imagem
Perseverança é vista como a chave mestra que permite tudo realizar ou é a ideia fixa, o esquema régio para ocupar o vazio, manter ilusão e dizer: “ainda chego lá, chegarei com certeza”. A diferença entre o que esvazia e o que completa, entre o que realiza e o que aniquila é dada pelas atitudes que o indivíduo mantém frente aos processos, ao mundo e à vida.
Viver em função dos próprios desejos e sonhos é aniquilador, impermeabiliza e transforma o outro, a realidade, em objetos que devem ser capturados, adquiridos, roubados para a própria satisfação.
Viver disponível e sintonizado com as próprias motivações - com um contexto - a realidade que as abriga ou exila, é, a cada momento, a cada acontecimento, ser orientado, ter caminhos indicados onde se estabelece trilhas para realizar ou impedir propósitos. Perceber essas indicações, entender seus sins e nãos possibilita mudança, acertos e erros.
A trilha dos processos sempre possibilita soluções, seja levando a atingir o que impede ou a…

Critérios e definições

Imagem
Como saber o que é certo, como definir o que é errado? Ter critérios e entendimento das situações exige questionamentos e disponibilidade para o que ocorre. Quanto mais referenciado nas próprias regras, vontades e aprendizados, sejam educacionais, sejam os da vida, mais impermeabilização ao que ocorre e assim só se percebe o que ocorre em função das próprias demandas, regras, medos e expectativas. Perceber o mundo, perceber o outro, perceber a si mesmo é o constante contínuo que arrebata e arrasta, diluindo certezas e dúvidas. Estar presente, estar diante do que ocorre é mágico, pois arrebata e traz novas configurações. Estar autorreferenciado, olhando para os próprios pés, para o próprio umbigo, para si mesmo é um artifício que coloca o indivíduo de costas, de olhos fechados e ouvidos obturados diante do que ocorre, do que acontece.
A disponibilidade faz o encontro e esse estabelece verdades, mentiras e dúvidas. Essas revelações estabelecem critérios e assim são definidas e redefini…

Paciência

Imagem
Paciência é a grande virtude, segundo os religiosos e os mais diversos mestres.

Paciência é também a atitude régia para esconder desejos não realizados, medos e vontades inconfessáveis. Ter paciência é uma maneira de não abrir mão dos propósitos ao constatar limites e impossibilidades. Esse regatear, negociar com a realidade, cria medrosos, covardes e ambiciosos. A ideia de que algum dia tudo se realizará dissimula vacilação e insegurança.

Paciência é submissão e passividade diante de contradições. É a criação de mais um passo, mais uma etapa antes de concluir sobre as próprias incapacidades e frustrações. Esperar é delegar, é começar a corroer autonomia e decisão. Instalar-se no “quem espera sempre alcança” é lançar mão de paciência, gerando expectativa, criando e mantendo ansiedades.

Renunciar aos desejos, ao constatar a impossibilidade de realização dos mesmos, se constitui em um caminho mais válido para instaurar autonomia. Paciência como ideia fixa é responsável pela parcializ…

Aleatoriedade

Imagem
Sempre que há uma expectativa fundamentada em continuidade de processos estruturam-se certezas decorrentes das sequências processuais. Somente o aleatório quebra essa continuidade consistente.
As características de consistência e aleatoriedade variam conforme os sistemas que as estruturam. É totalmente aleatório chover em desertos, tanto quanto é aleatório soluções humanitárias em regimes ditatoriais. Quanto menos consistente é a pluralidade dos sistemas, mais porosidade e possibilidade de outras configurações o invadirem. Nesse sentido são exemplares as atitudes individuais, às vezes heróicas, formarem sistemas de resistência aleatórios, pois não são previsíveis. Zumbi dos Palmares e Tiradentes são individuações aleatórias diante da sistemática opressão escravagista e colonizadora, mas, como polarizantes dos submetidos, dos desconsiderados, quanto mais essa polarização cresce, mais se sistematiza consistentemente a fabricação de heróis.
Thomas Szasz - psiquiatra defensor da psiqui…

Pele e alma - Selvageria e civilização

Imagem
Somos os animais mais desenvolvidos na escala biológica e nosso objetivo maior ainda é sobreviver. O ciclo evolutivo nos deu adrenalina, córtex cerebral, músculos e inúmeras vantagens orgânicas para isso, tanto quanto para a realização da função de alerta.
Acontece que somos mais que isso à medida que percebemos, refletimos e constatamos todo nosso processo, criando, assim, transcendência, ou seja, criando condição de ir além, de deter os movimentos desse ciclo e limites orgânicos. Por isso vencemos o mar construindo navios; vencemos o ar construindo aviões; vencemos o espaço e tempo escrevendo, simbolizando, condensando e ampliando. Tudo isso é ir além do próprio organismo, da própria sobrevivência, ou, tudo isso pode se voltar para o organismo ou para a sobrevivência.
Quanto mais acumulamos enquanto máquina sobrevivente, mais salvamos nossa pele e perdemos nossa alma, nossa humanidade, chegando às vezes a não exercê-la, a sequer conhecê-la.

Frequentemente nos encontramos em encruz…

Causalidade

Imagem
Perceber e pensar o mundo, pensar o que acontece como decorrência de relações de causa e efeito é uma maneira prática, obtusa, autorreferenciada e cômoda de viver e se relacionar com fatos e pessoas. Esse comodismo facilita o dia a dia tanto quanto incapacita a autonomia e a definição. Achar que tudo depende de A ou de B, que as situações têm causas determinadas, facilita ao transformar o mundo em um grande teclado onde se pode criar sinais, senhas e certezas, entretanto, essa facilidade é amputadora, pois para tonalizar ou enfatizar A ou B nega a multiplicidade de outras variáveis que emergem.
Determinar causas resulta de cortes aleatórios, resulta de ignorar processos contínuos, dividindo-os arbitrariamente. Essa atitude gera posicionamentos, cria medos, tanto quanto pode gerar certezas e confiança. É uma faca de dois gumes que tudo corta e que corta de qualquer jeito.
Não havendo globalização das variáveis e processos, não há como entendê-los, nem como participar deles, a menos q…