Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2020

Risos e prantos

Imagem
  Perceber sempre o que falta transforma o indivíduo em queixoso, revoltado, ou em excelente lutador para conseguir o que lhe falta, o que precisa. As constantes verificações do que é necessário ser feito estabelece o útil e o necessário como maneira de troca e como fundamental para vivenciar os relacionamentos com os outros, com a sociedade, com o cotidiano. Surge assim a escalada para resultados, para o que se precisa conseguir. A ideia de que tudo pode ser adquirido, a ideia de que a luta, o esforço de melhorar vai trazer bons resultados, é o algo a mais adquirido na educação, seja ela familiar ou escolar. A máxima “lute, se esforce que você melhora” é um engano que neurotiza. Criado para o depois, para o futuro, para sobreviver, o indivíduo se aliena e pode passar a negar as dinâmicas existenciais nas quais o fundamento é o presente, é o outro, é o estar concentrado no que se vivencia, podendo, por meio dessa experiência, transcender e atingir outras relações configuradoras do est

Comportamentos esquemáticos

Imagem
Seguir um esquema é procurar seguir uma receita, é procurar ter bons resultados. Esse comportamento é sempre deficitário, pois estruturado em outros contextos funciona como encaixe rapidamente transformado em quebra-cabeça ou acerto de figurinhas que se parecem. Assistir os esforços das mães querendo educar os filhos de acordo com tudo que é preconizado por psicopedagogos e psicólogos é exemplificador dessa atitude. A agenda recreativa, lúdica, cultural e esportiva é movimentada, tudo é dado, menos o contato direto com os pais, única possibilidade de amor e de carinho. É um caminho que valoriza ganhos e sucesso e a questão do ganhar dinheiro, do exercício profissional, que sempre cria outras demandas e variáveis. As dietas, a fixação em alimentação saudável é outro exemplo de comportamento esquemático. O esforço inviabiliza a espontaneidade. Se dedicar a fazer o que é necessário, o que é considerado bom, é sempre ruim pois busca realizar metas ou propósitos. As barras de proteção, o qu

Individualidade e grupo

Imagem
Como sobreviver sem o grupo? Sem a família, sem sociedade, sem instituições? São perguntas constantes e implícitas em todo desenvolvimento individual. O semelhante, o outro é o duplo. O primeiro grupo social é o que o indivíduo forma com ele próprio por meio de posicionamentos representativos de conjuntos e sistemas que o identificam. Ser de uma família, um extrato social, um país são determinantes explicativos de seus limites e poderes. Essa demarcação é indicativa de limites, de compromissos e também de liberdade, possibilidades de transformação. Já nascemos situados, consequentemente imbricados em todos os sistemas que nos configuram, definem, apoiam e oprimem. São as engrenagens que comprometem, tanto quanto protegem, adaptam e isolam. Essas bolhas sofrem impactos. Inúmeras variáveis, como guerras e intempéries, criam mudanças. Dos acontecimentos político-econômicos aos climáticos a dinâmica determina e aprimora. Os estáveis são questionados e dinamizados. Das tradicionais configur

Vantagens

Imagem
Medir, contar são frutos da atitude de avaliação. Quando a pessoa não vivencia o presente, seu dia a dia é um espaço em branco, tempo sem lei pontuado por medos, insegurança e desejo de coisas a realizar e também a evitar. Tudo é aferido. Não se suporta o que se vivencia, caso isso não aponte para alguma conveniência, alguma vantagem ou superação do que se quer esconder. Desde cuidar da aparência - mudança de cor de cabelo, plásticas rejuvenescedoras, uso de roupas de marcas famosas, coleção de amigos influentes e poderosos - até um cotidiano de aplausos e estímulos para manter o que de bom e significativo foi conseguido, o indivíduo vive como máquina que registra, amealha e cuida. Cuidar que um futuro bom aconteça, evitar que as coisas ruins apareçam são os parâmetros, são barreiras a destruir. Nesse referencial, o indivíduo coleciona ansiedade, angústia, inveja e medo. Não se suporta sozinho, pois sem apoio não tem onde se agarrar ou se sustentar para os pulos que podem permitir apro