Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2015

Pensamento - prolongamento da percepção

Imagem
“Perceber é estar em relação com o outro, consigo mesmo, com o mundo. Esse relacionamento é a vivência psicológica. Nesse sentido, ao falar em percepção, já não é mais necessário o uso de conceitos como mente, consciência, intelecto, etc, sendo tais conceitos posicionantes, dicotomizantes e unilateralizantes da totalidade ser no mundo.” * O conceito de mente está atrelado à idéia de local da racionalidade, uma visão dualista que contrapõe razão/emoção. Nesta concepção, herdeira das idéias dos séculos XVIII e XIX, a mente é o receptáculo de sensações e a fonte da consciência. Afirmo que o homem é uma possibilidade de relacionamento e que não existem corpo e mente como realidades distintas. É através da relação perceptiva que nos vemos cercados de situações, coisas e pessoas, semelhantes ou dessemelhantes, e assim vão surgindo os significados, os valores que estruturam os níveis de sujeito e objeto. Conhecemos ao perceber. Perceber é conhecer pelos sentidos. ** Ao unifi

Ingenuidade

Imagem
Não estabelecer correlações com outras percepções, não realizar continuidade no que está acontecendo, não considerá-lo sinal de situações anteriores ou de situações futuras, é tornar suficiente o percebido. Este se deter no percebido não significa tolice, pouca inteligência ou dificuldade na apreensão de relações. A vivência das situações são suficientes, são percebidas enquanto elas próprias ou são percebidas como significando sinais, indicações, provas do que não é mostrado, do que é apenas insinuado. O pregnante, o denso é o que é privilegiadamente percebido. Quando o pregnante é o pontilhado, é o fragmentado, é o interrompido, seu contexto - fundo estruturante da percepção - é outro. Perceber o que acontece como sinal indicativo de outras percepções, de outros acontecimentos é estar motivado para situações diversas das que estão ocorrendo. Esta confluência de percepções gera constatações (percepção da percepção), frequentemente responsáveis por distorções em relação ao que es

Misantropo

Imagem
Misantropia, ou antissociabilidade, ou fobia social, é um dos deslocamentos da não aceitação. Frequentemente, sentindo-se fraco, medroso, incapaz, impossibilitado de se comunicar, o indivíduo se reparte em máscaras e papéis que lhe permitem participar das esferas sociais que o contextualizam. Agindo mecânica e programadamente, esvazia-se. O outro - o ser humano - o horroriza, o apavora e é evitado por ele, desde que o contato o ameaça a sair dos esquemas que criou, desencadeando situações geralmente incontroláveis para si. Imaginar-se sozinho no mundo, senhor de tudo, sem controles exercidos por outros, sem testemunhas, é, tanto seu sonho, quanto sua realidade de fracasso, pois sabe que os outros existem e que sempre o perturbam. No desespero da vivência desta evidência - a existência dos outros, o não estar sozinho - ele busca constatemente negá-los, expressando preconceitos, raivas, ódios, desenvolvendo comportamentos agressivos que podem chegar à violência: matar pessoas, destruir

Rastejamento

Imagem
Perde-se autonomia quando se vive em função da realização de desejos e necessidades e isto faz com que o ser humano se transforme, passando a ser o próprio desejo, a própria necessidade. Ao virar objeto de si mesmo, divide-se, quebra a unidade de ser no mundo. Construído pelas circunstâncias, seus critérios são contingentes: existe apenas para o que vai funcionar. Orientado pelo medo, evita o que é ruim, o que causa dor, mas, cria uma dependência, que pode ser útil na luta pela sobrevivência. Suporta as humilhações, rasteja, perde a dignidade, mas se sente bem com os resultados do que almeja: dinheiro, status e segurança, por exemplo. Toda perda de autonomia desumaniza, pois o determinante, o motivador, é qualquer situação ou pessoa que não a própria. Sem autonomia, o indivíduo é apenas uma massa administrada, um resíduo manejado. A atitude de rastejamento, de se humilhar é vista como a única que pode ser adotada, é a menor distância para o que se quer atingir: não opõe contradiç

Comemoração

Imagem
Comemorações sempre necessitam de um denominador comum, algo que aglutine, nem que seja a ordenação sistemática dos arquivos estabelecidos pela memória. Nas grandes comemorações coletivas, comemorar é estar direcionado para um mesmo ponto - Natal, início de novo ano, vitórias em campeonatos, etc -, é o polarizante que põe tudo entre parênteses. Pôr entre parênteses - a epoché husserliana - é a maneira de estar totalmente voltado para o que se percebe, sem se perder em nenhuma outra aderência, nenhuma facticidade, sem se perder em nada que fuja do que está sendo enfocado. Esta harmonia, esta unicidade de propósitos, é quase impossível de ser mantida. Rituais que envolvem o sagrado (dos ordálios aos batismos), das sociedades tribais às modernas, se mantêm pela expectativa dos benefícios resultantes de suas realizações. A promessa de ganho e proteção é o polarizante permanente, que acena para a observância e consequentemente, para a preservação coletiva de tais rituais. A f