Thursday, January 29

Pensamento - prolongamento da percepção

“Perceber é estar em relação com o outro, consigo mesmo, com o mundo. Esse relacionamento é a vivência psicológica. Nesse sentido, ao falar em percepção, já não é mais necessário o uso de conceitos como mente, consciência, intelecto, etc, sendo tais conceitos posicionantes, dicotomizantes e unilateralizantes da totalidade ser no mundo.” *

O conceito de mente está atrelado à idéia de local da racionalidade, uma visão dualista que contrapõe razão/emoção. Nesta concepção, herdeira das idéias dos séculos XVIII e XIX, a mente é o receptáculo de sensações e a fonte da consciência.

Afirmo que o homem é uma possibilidade de relacionamento e que não existem corpo e mente como realidades distintas. É através da relação perceptiva que nos vemos cercados de situações, coisas e pessoas, semelhantes ou dessemelhantes, e assim vão surgindo os significados, os valores que estruturam os níveis de sujeito e objeto.

Conhecemos ao perceber. Perceber é conhecer pelos sentidos.** Ao unificar este conceito, sensação e percepção, destruiu-se o elementarismo nas abordagens perceptivas, entretanto, muitas dicotomias permanecem. Uma delas é sobre o pensamento; mesmo os gestaltistas clássicos não abordaram o pensamento como decorrência do processo perceptivo.

Para mim, o pensamento é um prolongamento da percepção. Ao relacionarmos percepções, significamos, ao perceber que percebemos - constatação -, formamos sistemas de referências. A memória é o arquivo que mantém a trajetória perceptiva e o pensamento é o que a prolonga.

Pensamos ao prolongar percepções e neste sentido podemos dizer que o pensamento é a trajetória da percepção. Nada que não existe/existiu pode ser pensado, embora possa ser completado, fabricado por acréscimos perceptivos. Pensar é prolongar o percebido e quanto mais distorcida, desorganizada a percepção, mais distorcido, desorganizado é o pensamento. Mudar a percepção é mudar o pensado, é mudar o comportamento, é ampliar referenciais ou restringí-los. O sistema educacional, tanto quanto os tratamentos psicoterápicos, podem ser beneficiados por este enfoque. Tudo é percepção, nela as distorções são criadas e resolvidas. Querer ser aceito e percebido pelos outros, por exemplo, é um objetivo destruidor do outro, desde que o transforma em um receptáculo de desejos. Em psicoterapia, quando se percebe esta possibilidade de destruir o que se quer vivo, alguma coisa muda: se percebe a necessidade de antes de querer ser aceito, percebe que precisa se aceitar para não continuar oferecendo ao outro algo que se desvaloriza, que não se aceita. Estas contradições, encontradas nos processos relacionais, nos processos perceptivos, desencadeiam pensamentos criadores ou repetitivos, geram insights (apreensão súbita de relações) ou criam posicionamentos de vitimização e culpa.

Perceber, prolongar percepções, ampliando, diminuindo, distorcendo, quebrando, somando ou apreendendo as totalidades configuradas, é pensar.

----------------------------

* Terra e Ouro são Iguais - Percepção em Psicoterapia Gestaltista de Vera Felicidade de Almeida Campos - pag. 69

** “Para os reducionistas, elementaristas, associacionistas, a percepção é uma elaboração de sensações: pelos sentidos - visão, audição, olfato, gustação e tato - captamos a realidade imediata e a elaboramos através da percepção. Kofka, Koehler, Wertheimer, gestaltistas, em 1912 afirmaram que percebemos gestalten, estruturas organizadas. Não existia uma função para recolher dados sensoriais e depois elaborá-los perceptivamente; conseguiram assim riscar da psicologia científica, a idéia de sensação como ponto de partida do processo cognitivo, tanto quanto eliminar o conceito de mente como receptáculo de sensações.” - em Terra e Ouro são Iguais, pag. 69



- "A Questão do Ser, do Si Mesmo e do Eu" de Vera Felicidade de Almeida Campos


verafeliciddade@gmail.com


5 comments:

  1. Como você explica a imaginação/pensamento como criador de soluções novas, para problemas novos, e invenções novas, projetos de coisas que nunca existiram antes?

    ReplyDelete
    Replies
    1. Augusto,
      A percepção explica tudo. Quanto às soluções novas, “as coisas que nunca existiram antes” a explicação é fundamentada na Lei da Closura e alguns casos no insight (apreensão súbita de relações). Só no elementarismo causalista é que existe “projeto de coisas que nunca existiram antes”, como você falou. As configurações é que são novas e sempre o pensamento é um prolongamento de percepções; as vivências perceptivas atingem horizontes amplos através de livros, quadros, narrativas etc. Imaginação, criatividade são maneiras leigas de se referir a diversos aspectos perceptivos e seus prolongamentos: pensamentos.
      Abraço,
      Vera

      Delete
  2. Achei seu artigo muito esclarecedor. Me detive no "Nada que não existe/existiu pode ser pensado, embora possa ser completado, fabricado por acréscimos perceptivos" e, embora não tenha escrito, pensei no insight como apreensão súbita das relações, inteligência, e resolução de problemas. Confesso que não entendi "projeto de coisas que nunca existiram antes" como elementarismo causalista. Pensei no seu comentário, nas configurações novas e que pinto um quadro diferente de todos os outros que foram pintados antes, parto de uma idéia, configurações geométricas, ou rododendros, ou um pássaro, sendo essa pintura resultado de um prolongamento, acréscimo ao que percebi em algum momento.
    Abraço

    ReplyDelete
    Replies
    1. Projeto de coisas que nunca existiram antes, só foi afirmado por não apreender a globalidade perceptiva; acredito que você não mais diria isto, considerando pensamento como prolongamento da percepção. Considerar pensamento como uma função imaginativa, criativa, como você falou, é entender que podem surgir inéditos, novos, coisas que nunca existiram antes, ou seja, tudo partiria de um intelecto, de uma mente, de uma inteligência independente de qualquer dado relacional perceptivo, por isso é elementarismo, causalismo.
      Abraço, Vera

      Delete
    2. Sim, algo sem qualquer dado relacional não poderia ser percebido.

      Delete