Thursday, May 11

Prudência




Infelizmente, a prudência, um dos bons aspectos configuradores de autonomia, ou seja, a percepção de limites, dificuldades, flexibilidade e rigidez, pode ser transformada em medo, em desconfiança. Muitos indivíduos se sentem prudentes por amealhar (dinheiro, poder), por esconder recursos, por despistar, esconder do outro, que é sempre visto como diferente, como estranho. Ser prudente é ser autônomo, é ser capaz de perceber limites, não os negar para que possa aceitá-los ou transformá-los. Nos indivíduos autorreferenciados, a vivência de suas não aceitações e conflitos - gerados por compromissos e projetos frustrados - transforma a prudência em ferramenta de verificação, utilidade e sucesso. Prudência passa a ser entendida como cuidado, como desconfiança, como não ter disponibilidade, espontaneidade, como estar sempre com o “pé atrás” para ter recursos e não cair em armadilhas. Prudente, então, não é mais o que constata e se relaciona com limites, prudente é o que antecipa, se resguardando, se cuidando, evitando encontros, evitando o novo. Esta maneira de perceber os outros e a si mesmo, este autorreferenciamento, transforma a prudência em medo - omissão - criador de isolamento, de solidão. O exercício constante deste isolamento faz com que as expectativas invadam o cotidiano. Sem participação surge ansiedade e consequentemente a depressão: são constantes o vazio e a solidão.


No comments:

Post a Comment