Wednesday, August 24

O silêncio da maioria

Do ponto de vista psicológico, como entender o surgimento e manutenção de ditadores, torturadores, poderosos corruptos e genocidas, exploradores de toda ordem? Da mesma forma que entendemos o delator, o desesperado, o omisso, o submisso: pelo processo da não aceitação. Não aceitação não é algo quantificável, não existe não aceitação maior ou menor. Da dona de casa, mãe e esposa, do pai, trabalhador e marido, do adolescente ao jovem estudante até aos abusadores de poder (políticos, religiosos, patriarcas etc), a não aceitação é o denominador comum da inautenticidade, da desonestidade, da maldade.

Não se aceitar e querer ser aceito é um movimento contraditório, paradoxal. É a desonestidade, o disfarce, a inautenticidade.

No processo da não aceitação, por tudo que viveu, ouviu e fez, pelo esforço satisfeito e insatisfeito, o homem percebe que ele só vale se aparentar ser o que não é. Através do disfarce consegue enganar e, ao esconder o que ele considera precário, realiza sua sobrevivência, aplaca seus desejos. Caminha em direção à meta de ser aceito.

O indivíduo se sente inaceitável por vários motivos e não se aceitando passa a querer ser aceito.  Agindo assim, ultrapassa, nega o perceber-se inaceitável. Consegue isto se dividindo: ele não se aceita como "A" mas quer ser aceito como "B". A situação "A" é vivenciada em paralelo à situação "B". É uma divisão geralmente vivenciada como aparência e realidade, mentira e verdade, os outros e ele mesmo. Cada vez mais dedicado a aparentar o que não é, a esconder o que não aceita, se adapta ao processo despersonalizador. A vida de aparências, de imagem aceitável, é construida e tem que ser mantida. Esse posicionamento, cria imobilidade responsável pelo medo de ser desmascarado. Esta tensão constante aumenta a necessidade de distensionamentos: psicoterapia, remédios, drogas, sexo. O significado dos relacionamentos é vivenciado circunstancialmente, funcionando para manutenção de imagens.

Quando consegue ser aceito sente prazer; é aceito ao conseguir enganar o semelhante. As possibilidades de relacionamento foram transformadas em necessidades de relacionamento. Cada coisa devorada, digerida, utilizada aplaca e esvazia. A pessoa se sente sempre sozinha. A não aceitação é responsável por esta vivência desde que o outro é utilizado como objeto, coisa para satisfazer desejos, aplacar medos.

É muito comum os indivíduos desistirem de psicoterapia quando seus sintomas desaparecem. Quando mudar não é o propósito, quando a terapia é instrumentalizada, adquirem mais instrumentos para construir imagens, para disfarçar e enganar. Mantendo a não aceitação, seu núcleo desvitalizador, o indivíduo se desumaniza ao ponto de ser capaz de realizar qualquer coisa que o faça sobreviver melhor, até o colápso da depressão ou do pânico total do ser com os outros.

Ao virar uma "massa de manobra" do sistema e dos outros, resta ao que não se aceita se submeter. São os que formam a maioria silenciosa que cumplicia com autoridades e ditadores, são os que matam para não morrer e que assistem as injustiças e genocidios, dizendo: "ainda bem que não é comigo". Do lado dos agressores, dos subordinadores, o pensamento é "sou superior, sou melhor que eles" e assim justificam suas aberrações e perversões, assim como a manutenção de sistemas desumanizadores por eles criados e ajudados a manter pelo silêncio da maioria.



"Sociedade de Risco" de Ulrich Beck

verafelicidade@gmail.com

6 comments:

  1. Prezada Vera, tenho na questão da não-aceitação como uma processo essencial a partir das primeiras leituras dos eus livros, como descrito acima, qual em geral começa mesmo na infância com os pequenos ou grandes abusos por parte dos adultos e da sociedade (Alice Miller). Em geral essa desonestidade do inautêntico não é percebida claramente e quando o é entra na categoria de ser ser aceito ou até esperto e levar vantagem sobre os ignorantes, como se essas sempre tenham sido as regras do mundo. A maioria silenciosa da cultura de massa não parece ver mesmo, deve perceber de forma fragmentada. E há quem justifique o escravo ser escravo como se essa relação fosse uma escolha deliberada consciente do ser. A alienação parece ter muitas formas. Lembrei de Clarice Lispector, O Ovo e a Galinha, já leu?
    "Ser galinha é a sobrevivência da galinha. Sobreviver é a salvação. Pois parece que viver não existe. Viver leva a morte. Então o que a galinha faz é estar permanentemente sobrevivendo. Sobreviver chama-se manter luta contra a vida que é mortal. Ser galinha é isso. A galinha tem o ar constrangido...

    ReplyDelete
  2. Augusto, eh a questao da sobrevivencia que reduz o ser humano a relacionamentos em funcao de contingencias que satisfazem suas necessidades, estruturando assim, aceitacao ou nao aceitacao, estrategias para ultrapassar limites etc. Como voce bem lembrou, a citacao de Clarice Lispector eh adequada. Abs. Vera

    ReplyDelete
  3. Vera Querida!amei seu blog.
    sou estudante de psicologia e gostaria de saber aonde posso comprar seus livros.
    Moro aqui no sul do Brasil,em Londrina-Parana.Temos boas livrarias aqui.
    O que me sugere.
    beijos

    ReplyDelete
  4. oi!!querida.
    como estas.
    enviando o nome do meu blog.
    resumo de tudo que aprendo.

    beijos
    aventurainterior.blogspot.com

    ReplyDelete
  5. Oi Noemi, visitei seu blog, muito interessante, gostei. Beijos. Vera

    ReplyDelete
  6. rsrsr. Senhorrrr, não quero essa mulher como minha terapeuta n u n c a. Ela acerta na ferida. Mas devo dizer que pelo menos não desisto da minha terapia. Tenho consciencia de que quando estou querendo fugir é porque o bicho tá pegando...Abraços..

    ReplyDelete