Thursday, April 12

Simbioses doentias

A bondade cruel, a simbiose doentia são oximoros e são também o que acontece em relações de dependência/cuidados obrigatórios, relações fundamentadas em não aceitação, relações que respondem a necessidades. Neste contexto, tudo pode acontecer, até 'dependentes' que agem como algozes e 'independentes' que se submetem.

A dialética dos processos e dos relacionamentos nos mostra que todo apoio é opressor, que o que apoia, oprime. É físico, é espacial, é nítido que o que está seguro está apoiado. É fundamental para a continuidade do processo relacional humano - para o processo de ser no mundo - não estar seguro, não estar apoiado, não estar posicionado. Todo relacionamento gera posicionamentos, geradores de novos relacionamentos e assim infinitamente. Exercer esta dinâmica é fundamental para a existência de movimento, de reversibilidade perceptiva, para se perceber e perceber o outro sem os posicionamentos do autorreferenciamento ou da renúncia de si para cuidar do outro, sem os posicionamentos da pregnância alienadora do que está diante de si.

Suportar a necessidade de ajudar e prover é esvaziador e aniquilador das boas intenções e propostas; é exemplo de como o cuidar do outro sem aceitar suas limitações é desumanizante. O posicionamento desumaniza. As vias únicas resultantes do posicionamento, resultantes da não interação, coisificam.

O filho drogado, depois de algum tempo, escraviza os pais que passam a ansiar por  libertação, passam a desejar a redenção que virá com a morte do filho, por exemplo. O que redime gera culpa tanto quanto disfarça a impotência cotidiana.

Parceiros e amigos deprimidos, voltados para a vivência de suas tristezas e mágoas, se transformam em fardos, caixas de surpresas desagradáveis.

Cuidar dos pais velhos ou doentes, quando este cuidado não está contextualizado em disponibilidade, cria obrigações insuportáveis para quem se obriga ou é obrigado a este processo.  E o filho incapacitado após um acidente sem perspectiva de melhoras? Sem disponibilidade, sem integração estes relacionamentos são esvaziadores e coisificantes, são simbioses doentias; não existe "instinto materno ou paterno ou filial ou fraternal" tampouco "instinto humano".

A obrigação imposta, o submeter-se existem; não importa como são estabelecidos, não importa se contextualizados anteriormente no que se vivenciava como amor, ou como gratidão, ou como retribuição ou dívida; tudo isso é alienador, gera simbiose, fusão que pode até atingir o equivalente de torturador/torturado. São fusões posicionantes, redutoras que prejudicam à medida que pontualizam o processo do estar no mundo.

Tudo que responde à uma necessidade, tudo que nos deixa sem saída é sempre questionável. O questionamento permite que a situação seja mudada, reestruturada: saídas surgem e/ou surgem possibilidades que mudam a rigidez, a mesquinharia, possibilidades que podem até transformar maldade em solidariedade.

















- "Paula" - Isabel Allende
- "O pequeno principe" - Antoine de Saint-Exupéry
 

verafelicidade@gmail.com

10 comments:

  1. Nunca entendi essa relação tão frequente entre pais e filhos drogados ou perturbados de alguma forma, entre filhos e pais idosos, entre alguns casais. É impressionante, comovente como algumas frases suas parecem chaves mágicas: "todo apoio é opressor", "o posicionamento desumaniza", "sem disponibilidade… relacionamentos são esvaziadores", "questionamento … pode até transformar maldade em solidariedade". Enfim, são chaves transformadoras, que abrem para uma nova visão, como no tema deste artigo, onde a maioria de nós pensaria em pessoas vitimas da vida, das sitações sem saída e você mostra como a aceitação e disponibilidade muda tudo e oferece saídas, como vítima e agressor andam de mãos dadas! Geralmente, quando vemos essas relações de dependência ligadas a acontecimentos trágicos e limitadores, pensamos "graças a Deus que não é comigo"; esquecemos que nossa existência, nossa vida mesma tem início numa simbiose que se não for contextuada em disponibilidade, com certeza é "cruel e doentia" com não menos trágicas consequências.

    Abraço

    ReplyDelete
    Replies
    1. Ana, muito obrigada, esse seu comentario unificou uma serie de camadas por mim levantadas.

      Abracos

      Delete
  2. Vera,

    Este seu texto veio em resposta a coisas que me acompanham durante toda a vida e que por vezes dormem no esquecimento, mas que, coincidência ou não, eclodiram violentamente nos últimos dias.

    Eu estou muito emocionada. Queria escrever muito e dizer tudo que pensei e senti ao ler suas palavras, e as dúvidas que correm em minha cabeça, mas vou esperar a sua volta...

    Sinto como se tivesse feito uma daquelas terapias em que nada fica como era antes, em que a dor da divisão - de um lado a necessidade de sobreviver e do outro a vontade de transcender – emerge, se impõe e então dói muito, mas ao mesmo tempo me faz sentir viva, limpa, enxergando a mim mesma perfeitamente, pois a divisão é tudo que sou.

    Obrigada sempre, Vera.

    Beijos.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Bom dia Nathasha, suas constatacoes expressas neste comentario com certeza vao ajudar muitas pessoas a perceberem divisoes, a verificarem que inconsciente eh sinonimo de ma fe (como dizia Sartre) de conveniencia etc va em frente, so o fato de voce se situar no meio da confusao ja lhe da condicoes de mudanca.

      Beijos (estou em um teclado q nao permite acentuacao)

      Delete
  3. Vera,
    Acho impossível ficar indiferente, não se deter e rever seus conceitos lendo um texto como esse. Demagogias, relações doentias, jogos e não aceitações estão expostas de forma que não temos como negar. Um questionamento que comove ao mesmo tempo em que mostra possibilidades de mudança.
    Obrigada,
    Bjs.

    ReplyDelete
  4. Oi Vera, seu artigo é maravilhoso e contundente, de fato sentir-se obrigado numa relação a fazer qualquer coisa cuidar, prover, etc.. gera raiva, medo e culpa, divisão não é isto ?

    ReplyDelete
    Replies
    1. Exatamente Rosélia. As implicações das atitudes de conveniência são devastadoras para o equilíbrio psicológico e relacional.

      Beijos

      Delete
  5. Vera,

    Ao longo da semana, refleti sobre o texto e me vieram na lembrança várias situações onde as “simbioses doentias” aconteceram e que somente através dos questionamentos terapêuticos, foram possíveis alguns "movimentos".

    A oportunidade de rever tudo que voce sempre afirma, de forma clara e simples, através da leitura dos textos,esse em especial, é bastante motivador para continuar a caminhada.

    Obrigada também

    Ana Cristina

    ReplyDelete
  6. Obrigada Ana Cristina, o importante é a motivação persistir, é a continuidade sem deslocamentos.

    Beijos

    ReplyDelete