Thursday, January 9

Incongruência

Todo empenho, objetividade e necessidade são neutralizadas quando situações incongruentes, inadequadas, surgem. Realizar o impossível, é impossível. Constatar este absurdo cria desespero ou gera impotência, tristeza, revolta, quando não se aceita o que está diante, o que está acontecendo. Esta vivência estrutura a constatação de que não se pode "apertar parafuso em papelão", ela liberta e às vezes possibilita autocrítica.

Pessoas inconsistentes, oportunistas não se responsabilizam pelo que fazem. É frequente encontrar tais pessoas no âmbito profissional; não adianta esperar que elas adquiram responsabilidade, já foram treinadas para despistar, não se responsabilizar pelos erros decorrentes de enganos gerados pelas falsas imagens veiculadas; é o conhecido "cara de pau", nada o atinge, é blindado a qualquer coisa que não seja a própria conveniência, a própria vantagem.

Nos relacionamentos íntimos, esta blindagem, as mentiras e irresponsabilidades produzem muito sofrimento aos que estão em volta. Ser enganado por quem significava confiança absoluta - amigo, marido, pai, mãe, por exemplo - é terrível, mas gera manipulações tais que até os abusos (dos sexuais aos econômicos) são justificados, tolerados e distorcidos. Conviver com quem não assume os próprios atos e as implicações dos mesmos, é contribuir para a manutenção do cinismo, da dependência, do medo e desumanização. A criação de descontinuidades nas relações  é transformada em uma forma de dividir para controlar, de ter várias âncoras, posições passíveis de serem utilizadas.

O desespero humano aparece assim, quando, curvando-se às vantagens, se nega as próprias opressões aviltantes. Muitas vítimas reproduzem sobre outros, as mesmas agressões que receberam de seus ofensores. Submeter o outro, repetir o que lhe foi imposto, é para algumas pessoas, alívio, melhora e prazer.

A história do Brasil é cheia de fatos explicitadores destas divisões, destas contradições, de incongruências como as que se observavam na sociedade escravocrata, por exemplo, quando um negro, ex-escravo, liberto e endinheirado, comprava e mantinha escravos para sua lavoura ou para seu comércio.

Incongruência, paradoxalmente, é um dos fatores que mais acomodam e adaptam. Questionar estas quebras, estas divisões e restabelecer possibilidades, exige um questionamento que leve à reversibilidade perceptiva e consequentemente à mudança.


















- "Escravos brasileiros do século XIX na fotografia de Christiano Jr"
- "Os vivos e os mortos na sociedade medieval" de Jean-Claude Schmitt



verafelicidade@gmail.com

10 comments:

  1. Uma palavra: sociopatia.
    Seu texto exemplifica o porquê da falta de adaptabilidade de sociopatas num contexto não violento e de oportunidades. A idéia da inconsistência é relevante, mas não deve definir uma pessoa, que pode ter problemas muito mais sérios e que talvez não mereça mais uma rotulação, não acha?

    http://eusociopata.blogspot.com.br/

    ReplyDelete
    Replies
    1. Cinza G. tudo vai depender de como se conceitua, inclusive a psicopatia; em última análise, no dia a dia, o mundo se divide entre os que transformam os problemas em justificativas e os que não o fazem assim. Esta é a grande questão que define oportunismos, terapias, religiões, drogados, etc

      Delete
  2. Querida Vera Felicidade;
    Fato constante,cada vez mais frequente em nosso meio;Em qualquer seguimento...
    Infelizmente, estamos diante, ou andando, com pessoas com esse tipo de personalidade, para mim doentia e perturbada;Pior que em muitas situações, conseguem nos atingir de alguma forma!!
    Vamos esperar que posteriormente, tenhamos em mãos, mentes;os famosos antídotos,para usarmos em prol de nós mesmos...
    Um abraço.

    ReplyDelete
    Replies
    1. O questionamento traria mudanças e as situações ficariam mais congruentes. Abraços, Vera

      Delete
  3. A verdade é que desde que nascemos, "aprendemos com nossos pais" Os que conseguem diferenciar o que é certo do errado e principalmente se espelhar, discernir e trabalhar psicologicamente o seu comportamento, conseguem dar um passo a frente.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Raquel, além da família, existe sociedade, cultura, tudo isto submetido a um processo que sempre possibilita teses, antíteses e sínteses. Reduzir às figuaras parentais, implica em um reducionismo causalista, que embora "explique" não apreende a totalidade do ser no mundo. O ser está no mundo, aberto a infinitas possibilidades que transcendem seus limites (núcleos estruturantes) ou submetido aos mesmos, através da satisfação de suas necessidades de sobrevivência.

      Delete
    2. Ou seja repetir as mesmas grosserias que recebi de professores, de patrões, de amigos, de maridos e até de filhos. Todas as experiências da vida. Realmente fui muito restrita a quatro paredes. Um abraço.

      Delete
    3. O importante é que você percebe tudo isto, critica e como diz, dá "o passo a frente". Abraços.

      Delete
  4. O curioso é que pessoas com esse tipo de personalidade, buscam e se envolvem com pessoas de baixa autoestima e sentem um prazer cruel em pisoteá-las e diminuí-las para ver até onde elas suporta . E a vítima, já fraca e insegura da sua força, não reage, aceita e por vezes justifica. É como se pessoas assim fossem alimentos para eles. Ale de não sentir culpa, eles transferem a culpa para o parceiro fazendo com que ele acredite que o relacionamento não vai bem por sua causa. E abusam emocionalmente e psicologicamente, muitas vezes o chamando de louco e o fazendo realmente acreditar que aquilo não está acontecendo. Que ele está fantasiando e dramatizando. Não desejo um relacionamento com um sociopata nem mesmo para os meus inimigos.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Oi Vanessa, tudo o que você fala é perfeito como exemplificação da não aceitação; as pessoas de baixa autoestima, como você diz, são exatamente as que não se aceitam e ficam presas fáceis de qualquer manipulação. Você descreve bem este processo. Quanto ao que se considera sociopata, é também explicado pelos processos de não aceitação. Os sociopatas também não se aceitam, se seguram em imagens, aparências, status e atributos que os resguardam e protegem, parecendo pessoas descoladas, fortes e poderosas. É tipo a luz que atrai mariposas ou ainda, exemplo disto vemos, de uma maneira leiga enquanto enfoque psicológico, no seriado "Dupla identidade". A descrição que o meu artigo suscitou em você, está legal.
      Abraço, Vera

      Delete