Interesse e motivação - diferenças estruturais



A continuidade da existência implica em encontrar obstáculos que quando não são enfrentados e ultrapassados podem descontinuar por meio de fragmentações. Assim são gerados os posicionamentos, as problematizações e também os sistemas de divergência e de convergência.

Nas estruturas descontínuas prepondera o interesse substituindo a motivação, desde que foram criadas impermeabilizações. Não se vivencia o presente enquanto presente, mas sim em função de estruturas passadas, situações a manter e defender ou desejos futuros a realizar. Nesses casos, pelas polarizações insistentes na superação e realização de objetivos, surge o interesse. A conduta é rígida, persistente e unilateral.

Quando se enfrenta e ultrapassa obstáculos tudo motiva enquanto configuração presente, é o perceber em volta, o perceber o outro, que configura a motivação. Flexibilidade, liberdade e disponibilidade caracterizam esses comportamentos. Estar motivado é dinamizador, faz atingir novas configurações, enquanto o estar interessado, cada vez é mais limitante, criando, inclusive, obcecados. A ideia fixa de trabalho, de ter prazer, de ganhar dinheiro, são interesses típicos de indivíduos posicionados em suas necessidades. Quanto mais divididos, mais ilhados, mais pontualizações, mais fragmentações existem e podem até explicar a compulsão, a crueldade, a utilização do outro e a sonegação de fatos, tudo para atingir o que se deseja.

A motivação implica sempre em disponibilidade, é nela estruturada, uma vez que é vivência presentificada. Ao passo que o interesse - a motivação posicionada - coagula, determina a impermeabilidade, o compromisso, o propósito de superação ou de realização. A sobrevivência impõe uma série de interesses como forma de ultrapassar limites e satisfazer necessidades, transforma as motivações “em jogo de cartas marcadas”, em sinalização para otimizar a vida. 


Comentários

Os mais lidos

Oprimidos e submissos

Sonho e mentiras

Zeitgeist ou espírito da época

Mistério e obviedade

Misantropo

A ignorância é um sistema

“É milagre ou ciência?”

A possibilidade de transformação é intrínseca às contradições processuais

O diálogo nos conecta tanto quanto nos distancia

Aplacamento - reificação ad infinitum