Estratégias




Estratégias são constantes como maneiras de atingir objetivos. Nem sempre os objetivos significam realizações materiais, às vezes eles significam camuflagens e como tal não deixam de ser uma realização enquanto ação com o único objetivo de esconder.

As imagens fabricadas decorrentes dos processos de não aceitação de si, das origens familiares e realidade sócio-econômica levam as pessoas a inúmeros disfarces, a criar infinitas estratégias. Compensar, dissimular fracassos, ou o que se quer evitar que seja descoberto, é constante.

Nosso sistema sanciona e incentiva as estratégias: das plásticas rejuvenescedoras, às atitudes pseudo generosas e solidárias - por tabela - quando se quer demonstrar boa formação social e humanista.

A política é um campo fértil para estabelecer estratégias: o sorriso amoroso, o abraço afetuoso em crianças,  as visitas e o tempo gasto nas periferias das cidades, e exibido pelo marketing, são poderosos ingredientes de vários articulações.

O disfarce, o atalho são maneiras correntes e rápidas de equilibrar diferenças, são ingredientes estratégicos. Nesse contexto, comparar, avaliar, distinguir são atitudes pensadas como fundamentais para estabelecer o melhor caminho, a estratégia solucionadora e redentora.

O estrategista é um mago que seduz e ilude com eficiência, experiência e suposta sensatez. Suposta, pois a sensatez é construída para dissimular dificuldades e angariar simpatias e aplausos.

Comentários

Os mais lidos

Oprimidos e submissos

Sonho e mentiras

Mistério e obviedade

Zeitgeist ou espírito da época

Misantropo

A ignorância é um sistema

“É milagre ou ciência?”

O diálogo nos conecta tanto quanto nos distancia

Aplacamento - reificação ad infinitum

Avatar