Impedimentos (vivência do presente)




O que impede a vivência do presente? Os medos, a ansiedade, a ganância, o desânimo, a raiva. Esses “sentimentos” e “emoções”, esses resíduos de não aceitação e insatisfação funcionam às vezes como filtros, outras como âncoras, outras ainda como ímãs polarizadores, e assim passam a contextualizar tudo que é vivenciado, distorcendo o que é percebido, o que acontece. Os processos de distorção são responsáveis pelo acréscimo de medo, de raiva, de problema, de neurose. O ser humano geralmente vive por e para, não há o como, pois o mesmo foi substituído por estratégias pragmáticas de consecução de propósitos. Esses impedimentos criam e também aumentam o vazio existencial, apagam os outros seres, transformando-os em meros instrumentos de satisfação de necessidades e realização de tarefas. A depender das demandas criadas pela filtragem do realizado, temos indivíduos cujos comportamentos se caracterizam por raiva e ódio, outros pela ambição e ganância, e outros que buscam ajudas, reconhecimento e submissão. As depressões são constantes, tanto quanto o esforço e a abnegação.

Felicidade é o que resulta do encontro consigo mesmo e com o outro e isso só é possível quando o presente é percebido sem distorções, sem filtros. Isso é o que permite segurança e confiança.

Comentários

Os mais lidos

Oprimidos e submissos

Sonho e mentiras

Zeitgeist ou espírito da época

Mistério e obviedade

Misantropo

A ignorância é um sistema

“É milagre ou ciência?”

A possibilidade de transformação é intrínseca às contradições processuais

O diálogo nos conecta tanto quanto nos distancia

Aplacamento - reificação ad infinitum