Thursday, January 14

Reciclagem

Tudo é aproveitado quando se está dedicado a realizar as próprias demandas neuróticas (de não aceitação, de querer ser aceito). Essa equação - tudo aproveitar - é facilmente resolvida ao se colocar como objetivo da existência, ser aceito, significar alguma coisa valorizada pelo próprio grupo ao qual se pertence. Nesse contexto, as vivências se desenvolvem e tudo que é percebido recebe a tonalidade desse desejo de aceitação.

O desespero que congela e limita, por exemplo, é transformado em situação diferenciada na qual a capacidade de ajuste, o cinismo são relatados como vitória, como capacidade de sobreviver. Os processos de reciclagem são infinitos. Tudo que cai no contexto das metas e objetivos de ser aceito, é considerado. A coleta, a contabilização é feita. Nada escapa. Ser rejeitado, literalmente “levar um ponta-pé”, cair é utilizado como força muscular probatória de resistência, de resiliência. Do processo à trituração, nada escapa, até que se consiga cunhar a moeda da experiência, da esperteza, da expertise, que tudo compra e decide sempre pelo melhor. Nesse contexto, melhor é o que aplaca, o que impede transformação, o que mantém regularidade, o que propicia sucesso e resultado eficaz.

As vivências de não aceitação, gerando necessidade de ser aceito, são homogeneizadas pela sociedade e pela família. Surgem os catálogos, dicionários e guias de como conseguir essas realizações como, por exemplo, cuidar do corpo, da carreira, das roupas, da aparência. Esse processo permite o final de realizações, mas cria implicações insatisfatórias: o que se é, o que se sente, o que se pensa são regulados por essas demandas, o ser é transformado em parecer, em necessidade de aplausos, de aceitação. De tanto manter a aparência, o indivíduo se esvazia, ele é o que as circunstâncias permitem que ele seja. Contabilizar tristezas alheias, pode transformá-lo em herói, em amigo sensível, tanto quanto conduzir “carros de vitória” o deixam no topo da comemoração.

A efêmera contingência das vivências processuais cria indecisão, comprometimentos e medos. Pontualizado por esse processo, o indivíduo começa o próprio processo de reciclagem através da autofagia: inicia por não saber o que sente, nem quem é, nem para que vive, salvo para preencher necessidades.



verafelicidade@gmail.com

No comments:

Post a Comment