Enviesamentos




Focadas, agarradas em seus objetivos, metas e desejos a realizar, geralmente as pessoas perdem o sentido do que está em volta. Não percebem o que ocorre. Tudo é percebido em seu próprio contexto, em seu autorreferenciamento. Sem a mediação, a antítese do outro e do que acontece, os comportamentos ficam defasados e ultrapassados, as percepções são distorcidas.

O famoso “senso de ridículo” perdido é um exemplo. Preocupados em conseguir brilhar ou conquistar, indivíduos perdem a noção de como seus comportamentos estão ultrapassados e destoantes da realidade. Encapsulados nos seus desejos não viram a mudança de paisagem, de hábitos, de valores; agem como se tudo estivesse como era. Essa ultrapassagem cria enviesamentos. Negar suas frustrações, agarrar vieses do desejo traz situações risíveis. O senso do ridículo se perde. Atitudes canhestras dissimulam dificuldades. A depender de quem os observam, viram objeto de piedade ou se tornam alvos de risos abertos ou insinuados. A piedade frequentemente é um manto que acoberta muitas situações risíveis, ridículas e problemáticas.

Comentários

Os mais lidos

Oprimidos e submissos

Sonho e mentiras

Zeitgeist ou espírito da época

Mistério e obviedade

Misantropo

A ignorância é um sistema

“É milagre ou ciência?”

O diálogo nos conecta tanto quanto nos distancia

Aplacamento - reificação ad infinitum

Avatar