Selfies




Impressiona ver como preparar-se para uma foto, mais especificamente preparar-se para uma selfie, parece com o fazer pose frente ao espelho. A câmara do celular vai registrar o que se deseja mostrar e bem mostrar: deve exibir beleza, felicidade, alegria, força, enfim, bom aspecto e boa cara que prometa bons momentos.

O outro é o espelho, é a própria pessoa nele reproduzida. A cara, os gestos feitos para as selfies transformam as câmaras do celulares em seres que aplaudem ou discordam de certas poses. Esse diálogo mudo, esse monólogo, é encenado diariamente. O corpo ou o rosto que se mostra pretende ser bem visto, e antes de fotografar-se ele se insinua dentro de referenciais do suposto omisso-presente-outro que tudo confere.

Tirar selfies é rascunhar mensagens, tecer redes encarregadas de trazer bons resultados e aplausos. Quando o outro é transformado no espelho - deslocamento narcísico, ou ainda, extrapolação autorreferenciada - os processos de coisificação e massificação se instalam, pois o que se cria é uma imagem, uma máscara que mesmo bela é desvitalizada: o duplo não é o mesmo, a cópia é a reprodução que ao repetir exalta as diferenças e não significa o representado embora o exiba. Esse processo se acentua e complica caso se considere que na selfie o espelho é o outro. A câmara que é transformada no outro, que consequentemente está reduzido na mesma.

A selfie é a pontualização, o ser reduzido às suas representações, esperando que talvez lhe seja atribuído elogios como resultado de seu empenho inicial em passar uma boa imagem, uma cara feliz, um bom aspecto.

Comentários

Os mais lidos

Oprimidos e submissos

Sonho e mentiras

Zeitgeist ou espírito da época

Mistério e obviedade

Misantropo

A ignorância é um sistema

“É milagre ou ciência?”

O diálogo nos conecta tanto quanto nos distancia

Aplacamento - reificação ad infinitum

Avatar