Insólito




O inesperado, o que foge do controle, tanto quanto o que persistentemente nos acompanha, mesmo defasado ou despropositado, é sempre insólito.

As mães que cuidam de seus filhos de 25, 30 anos, por exemplo, orientando e aconselhando o que vestir, onde trabalhar, o que pensar, se constituem em companhias insólitas, presenças abusivas mesmo que requisitadas e consideradas. Esperar ou precisar ser considerado, compreendido equivale a cavar buracos em superfícies planas, buracos destinados a provocar quedas. Descontinuidades, emendas geram situações insólitas, criam dessemelhança em relação aos padrões e vivências. Situações que se adiam indefinidamente pela obstinação e necessidade de realização se constituem em fontes de vivências insólitas, pois se caracterizam por defasagens tempo-espaciais.

As atuais banalização e massificação dos processos grupais atingem também o indivíduo. Cada vez mais desumanizados, despersonalizados, os indivíduos se anulam e se afirmam por meio de performances que buscam suprir sua solidão, tanto quanto realizar experiências. Assistimos a inúmeros exemplos disso: são os relacionamentos e atitudes para com os próprios pets como se fossem seus irmãos, filhos, marido, mulher; é o casar-se consigo mesmo, fazendo festa, tirando fotos, mandando convites - realizar rituais, transformando-os em experiências pessoais de metas atingidas é bastante insólito e defasado.

Enfim, qualquer situação na qual a realidade é negada e transformada em função dos próprios desejos, medos e idiossincrasias, é insólita ou assim se torna pela continuidade do desempenho.

Comentários

Os mais lidos

Oprimidos e submissos

Sonho e mentiras

Zeitgeist ou espírito da época

Mistério e obviedade

Misantropo

A ignorância é um sistema

“É milagre ou ciência?”

O diálogo nos conecta tanto quanto nos distancia

Aplacamento - reificação ad infinitum

Avatar