Questionamento e constatação




A continuidade dos processos terapêuticos, ou seja, os questionamentos, provocam mudanças. Inicialmente essas mudanças são vivências referenciadas nelas próprias, porém, com a continuidade, à medida em que as implicações são percebidas, novos significados surgem. Uma das primeiras diferenças é a descoberta de que tudo que aflige e é considerado problema criado pelos outros, pelo sistema etc. são problemas da própria pessoa. É a importante constatação: - se o problema do outro me atinge, o problema é meu. Chamar a si a dificuldade coloca outros olhos e boca na fisionomia que aterroriza - a sua mesma - e identifica caminhos, atalhos, resíduos, trajetórias e isso é libertador. Novas dimensões são estabelecidas. Na continuidade do processo tudo é configurado e reconfigurado. As dinâmicas estabelecidas modificam posicionamentos e da frustração, quase depressão, se atinge motivação para mudar. A reversibilidade perceptiva é infinita. Nesse cenário, a individualidade é resgatada, o indivíduo se desenvolve com autonomia para existir com alegria, para enfrentar suas dificuldades e medos. Sua ansiedade, sua ambição e frustração são transformadas. A continuidade dos questionamentos, o abandono dos desejos, a superação das contingências e circunstâncias colocam a pessoa em movimento, firme nos próprios pés, autônoma e disponível.

Comentários

Os mais lidos

Oprimidos e submissos

Sonho e mentiras

Zeitgeist ou espírito da época

Mistério e obviedade

Misantropo

A ignorância é um sistema

“É milagre ou ciência?”

A possibilidade de transformação é intrínseca às contradições processuais

O diálogo nos conecta tanto quanto nos distancia

Aplacamento - reificação ad infinitum