Postagens

Mostrando postagens de julho, 2024

Propósito e despropósito

Imagem
A repetição da frustração - nada conseguir - estrutura desânimo e tédio. Viver para o depois, para alcançar o que se quer, o que não se tem, o que se deve ter é aniquilador de individualidades, pois a própria pessoa se divide, se transforma em instrumento de qualidade ou desigualdade, de erros ou de acertos. Quanto mais se vive para o depois, quanto mais se agarra no futuro para atravessar o que considera inóspito e desagradável – o presente, seu contexto de vida – mais o indivíduo se compromete com resultados. Esse comprometimento esvazia, e nada mais significa, tudo não passa de marcas de tempo, espaço e índices de estar no caminho. É, metaforicamente, o tostão a tostão guardado para permitir realizar planos e propósitos: casa, formatura, prazer e diversão. A vida para depois abandona a vida de agora e assim o que acontece não existe, não significa. É como se viver fosse um permanente jejum, uma imolação às causas buscadas e transformadas em significativas do pró

Contradição

Imagem
  Estar sempre se queixando das próprias incapacidades, muitas vezes é confundido com autocrítica, tanto quanto com impiedosa desvalorização de si mesmo. Essas queixas geralmente não passam de reclamações, de gritos de alerta, de pedidos de ajuda. O indivíduo que se queixa, em última análise, espera ser reconhecido, ajudado. A queixa, para ele, é uma maneira de dizer “estou atento, estou sendo prejudicado” . Ela é sempre o desejo falhado, não realizado. Quando assim percebida e conceituada, a queixa é uma indicação da não aceitação, da recusa sistemática da impotência, da incapacidade, da realidade. Frequentemente, ser vítima, construída por meio de queixas, bem ouvidas e auditadas (famílias, governos, até mesmo psicoterapeutas), é ocupar um lugar, e, às vezes, ter um destaque arregimentador de olhares e cuidados.    

Sobra e falta – oximoro da sobrevivência

Imagem
  Tudo que não é integrado, sobra. A superposição de interesses, a não definição de pressupostos se constitui em desviantes construídos como soluções temporárias para dificuldades persistentes, contínuas. A pobreza, a falta de recursos, em um sistema social produtivo, por exemplo, expõe o excesso, o que pode ser resumido neste oximoro: falta porque sobra. Desentendimentos nas relações afetivas, dificuldades de adaptação, também podem ser inseridas nessas evidências contraditórias. Raiva, desespero, inveja são sobras do que foi negado, do que não foi realizado. Tudo se transforma, tudo se relaciona, não são criados, não há causa, não há efeito. Existem dinâmicas, interseções, configurações que se correlacionam e transformam. Desenvolvimento de processos, protelação dos mesmos em função de outros referenciais, podem explicar e continuar. As metamorfoses de sistemas, desejos e frustrações, escurecem, colorem, harmonizam ou destroem nosso cotidiano. As viradas, as curvas, as estagnações