Apreensão da totalidade



Ultrapassar os limites da reação mecânica - reflexo dos e aos estímulos desencadeadores de respostas - permite ao indivíduo globalizar os acontecimentos, os fenômenos que ocorrem. A vivência do presente contextualizada no próprio presente, o estar inteiro e voltado para o que ocorre é o que possibilita essa vivência. Quando se está buscando atingir resultados e conclusões, tudo que acontece é conduzido para tais objetivos; sequer se percebe a totalidade das ocorrências, pois elas são segmentadas e utilizadas para o objetivo que se deseja. É a vivência fragmentada na qual a parcialização se transforma em impedimento para a percepção de totalidades. Na esfera individual, o querer realizar desejos é sempre obscurecedor, turva detalhes, deforma características. São clássicos os exemplos entre mestres e discípulos, como o de mostrar a lua para o aprendiz e ter como percepção pregnante por parte dele, o dedo que aponta e não a lua; é a transformação da parte/todo que aliena e exila possibilidades de aprendizagem, transformando-as em normas, em regras dificultosas.

Quando são buscados pontos de chegada, pontos de partida, enfim, causas para realizar efeitos, se segmenta processos, parcializando-os ou deixando-os configurados a resultados. Viver para conseguir ou para evitar histórias, fatos, paixões e envolvimentos é transformar a imensidão de possibilidades das probabilidades em certezas acanhadas e contidas nas esferas de segurança e parcialidade, reduzindo situações aos pontos de certeza e de apoio que tudo suportam, protegem e desvitalizam.

É por meio da globalização dos acontecimentos que transcendemos nossos limites situacionais e assim participamos na totalidade. É essa transcendência que neutraliza tédio, insegurança, desespero e angustia. Ver de outra perspectiva nossos pequenos e únicos espaços é dinamizador: a curiosidade é a motivação que mantém vivo nosso caminhar. Não ficar imobilizado em portos seguros permite atingir outra esfera, permite perceber a lua coberta pelo dedo que a indica.

Comentários

Os mais lidos

Oprimidos e submissos

Sonho e mentiras

Zeitgeist ou espírito da época

Mistério e obviedade

Polarização e Asno de Buridan

Misantropo

A ignorância é um sistema

“É milagre ou ciência?”

Formação de identidade

A possibilidade de transformação é intrínseca às contradições processuais