Embaraço


Alguns reencontros parecem revelar vivências tanto de estranheza, quanto de familiaridade. 

Reencontrar o íntimo e familiar em novos contextos, causa embaraço. Existe reconhecimento, encontro, porém isto se dá em situações outras que não as do estruturante relacional anteriormente vivenciado. Equivale a um pentimento. Debaixo daquela pintura existe outra; na realidade, a anterior se insinua tão forte que embaralha, embaraça. O grande limite, o insinuado é um novo que só existe enquanto marcação anterior. Esta confusão requer renúncia, seja do que ocorre, seja do que ocorreu. O passado está problematizado, está encoberto e assim o presente é esvaído nas tessituras relacionais. Equivale ao choc au vide agora traduzido pelo choque ao ocupado.

Estas vivências são frequentes no reencontro após descobertas: filhos que encontram seus pais depois de muitos anos, novas famílias; ocorre também nos reencontros de laços afetivos, tanto quanto nos reconhecimentos em situações limites.

É a perda-encontro ou o encontro-perda variando a pregnância da reversibilidade em função das individualidades em processo.






- "A Paixão Segundo G. H." de Clarice Lispector
- "Utopia" de Thomas Morus

Comentários

  1. Oi, Vera.

    Como esse embaraço me parece familiar (estranhamente familiar, rs)! Achei incrível, muito bom mesmo.

    Abraços e FELIZ ANO NOVO!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Ioná, é sempre bom ser tocado nem que seja por algo estranhamente familiar como ocê fala. Feliz 2013 para você também.

      Beijos

      Excluir
  2. Vera,
    São embaraços mesmo, saia justa!
    Renúncia do que ocorreu, o presente é esvaído nas tecituras relacionais ... como lidar com isso?
    Bjs
    Cris

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Cris, primeiro passo é aceitar os limites, a partir daí removê-los ou transcendê-los. Autodeterminação é fundamental.

      Bjs

      Excluir
  3. Oi Vera autodeterminação e aceitação dos limites e da realidade é tudo, feliz 2013, bjs Rosélia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza Rosélia, aceitação ou aceitar que não se aceita é o que permite enfrentar os problemas. Feliz 2013 para você também.

      Beijos

      Excluir
  4. Aprendendo muito aqui... Excelente Vera.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os mais lidos

Oprimidos e submissos

Sonho e mentiras

Zeitgeist ou espírito da época

Polarização e Asno de Buridan

Mistério e obviedade

Misantropo

A ignorância é um sistema

Formação de identidade

“É milagre ou ciência?”

A possibilidade de transformação é intrínseca às contradições processuais