Desvinculação de responsabilidades




Nas vivências autorreferenciadas nas quais tudo se configura em função dos próprios interesses, justiça, solidariedade e responsabilidade em relação às próprias obrigações e deveres não existem.

Na esfera individual isso é problemático e quando desenrolado em ambiente familiar cria muitas dificuldades e abusos. Sociedades doentes, precárias, resultam de famílias doentes no sentido de membros autorreferenciados nos próprios interesses. Os ricos esperam e fazem com que os filhos tenham destaque e sucesso, os ladrões ensinam os filhos a roubar e os pobres/remediados lutam para que os filhos consigam o que eles não tiveram. Não há ideia ou conceito de convivência. O que existe são regras e métodos para conseguir, para se eximir de responsabilidades e de punição.

Nas sociedades latifundiárias grilar as propriedades alheias era e é uma forma de enriquecer e nessas sociedades leis e tribunais foram criados para permitir isso, para absorver e absolver.

Atualmente, a impunidade, os “colarinhos brancos”, a troca de favores, a “carteirada” tudo permitem. Leis não funcionam, existem para ser burladas e seu exercício é um verdadeiro labirinto no qual não há fio de Ariadne para percorrer.

Entregue a si mesmo, sem saber onde vai esbarrar, o indivíduo fica cada vez mais reduzido a ser pisado ou a pisar. Fugir do massacre, utilizar expedientes do opressor são a tônica. Cidadãos de bem, os que mantêm dignidade, são alijados.

Necessário uma terceira margem para que tudo se transforme. Manter-se íntegro é fundamental, o que às vezes só se consegue aceitando a impotência diante do que explora e engana. Nada se pode contra instituição construída para explorar, injustiçar, mas tudo se pode quando se começa a perceber a existência e implicação da mesma. O não fazer parte desses grupos, o agir diferente é o início de antíteses que tudo muda, mesmo quando os poderes estão constituídos para manter essa ordem alienadora espoliadora.

No momento a questão não é “abaixo o capitalismo”, no momento a questão é abaixo a desumanização, abaixo a transformação do ser humano em massa de manobra, processo esse que existe em toda a sociedade: das empresas, instituições, escolas e religiões até às famílias.

Não é o sistema econômico-social que tudo destrói, é a coisificação, a desintegração individual, a transformação do indivíduo em massa de manobra pelo outro, é o transformar-se no próprio desejo, em falta, em meta que cria robôs, peças de engrenagem.

Comentários

  1. Ok, perfeito, eu sempre achei que o sistema é perverso, por ser manipulado por pessoas perversas. O que você diz parce pedir uma trensformação do indiviíduo no sentido de se humanizar. Como isso pode ser possivel em escala?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Augusto, responsabilidade, honestidade, autenticidade tudo transformam, da família à sociedade. Lembre que o todo não é a soma das partes. Abraço, Vera

      Excluir

Postar um comentário

Os mais lidos

Oprimidos e submissos

Sonho e mentiras

Zeitgeist ou espírito da época

Polarização e Asno de Buridan

Mistério e obviedade

Misantropo

A ignorância é um sistema

Formação de identidade

“É milagre ou ciência?”

A possibilidade de transformação é intrínseca às contradições processuais