Sequências

 

 

As ordens estabelecidas nas instituições de transmissão do conhecimento não são limitadas pelo tempo embora o reflitam.

O professor que ensina outro professor é um elo de uma corrente contínua. De diferentes maneiras são repetidas as mesmas coisas. Essa atemporalidade é o que recria e mantém o tempo. Este aparente paradoxo é estabelecido pela doxa, pelas opiniões que se superpõem, e que mesmo que variem são iguais enquanto resumo de ordens, regras e palavras. Assim são formadas as instituições e assim são transmitidos valores que sequencialmente criam conjuntos: humanidade por exemplo.

Quebra de sequências surgem quando valores são transmutados, transformados. Essa é a grande ameaça que se desenha com os processos de alienação e desumanização.

O ser humano poderá vir a ser ingerido como proteína capaz de alimentar famintos? O descrédito na humanidade ensejará sua superação? As quebras de sequências básicas são sempre mutações atordoantes no mundo biológico e também no psicológico. O pai que se transforma em bicho-papão, a mãe que vende o próprio filho para conseguir sobreviver são aberrações? Ou são aspectos sequenciais de desenvolvimentos deteriorados que pouco a pouco aparecem como resultados dos processos de desumanização? Teriam eles, também, suas sequências que independem de tempo e de espaço?

Comentários

Os mais lidos

Oprimidos e submissos

Sonho e mentiras

Zeitgeist ou espírito da época

Polarização e Asno de Buridan

Mistério e obviedade

Misantropo

A ignorância é um sistema

Formação de identidade

“É milagre ou ciência?”

A possibilidade de transformação é intrínseca às contradições processuais