Confrontos

Perceber que os outros têm satisfação e conseguem sucesso, geralmente causa inveja, quando não aceitações e metas determinam o dia a dia. Viver comparando e verificando que não consegue o que os outros conseguem, caracteriza o cotidiano dos sobreviventes posicionados em resultados.

Decidir que merece mais e que significa além dos padrões estabelecidos, cria expectativas dificilmente realizáveis. Viver em função de realizações gera ansiedade, que por sua vez, impede concentração, impede continuidade, cria vivência fragmentada - consequentemente o presente não é vivenciado -, dificultando atividades onde tanto concentração, quanto continuidade são necessárias. Por exemplo, não se consegue ler ou quando lê, não sabe o que foi lido. A ansiedade tudo apaga, de estudos a desempenhos, tudo fica comprometido.

Sempre em função de um marco a atingir, o cotidiano se torna uma eterna competição, e assim, não basta o que se vivencia, o importante é saber se o que se vivencia é melhor e mais significativo do que o que acontece aos outros.

Comparar, confrontar é uma maneira de verificar se é aceito e considerado. Os níveis sociais, as marcas econômicas - o ser rico, ser pobre - estabelecem situações confortáveis/desconfortáveis à partir das quais são estabelecidas metas e propósitos. Estar bem situado, social e economicamente, diminue a necessidade de superações e realizações, tanto quanto a aumenta.

Conseguir ser bem posto na vida requer, diariamente, confrontos retificadores e mantenedores desta posição. Vive-se para conferir, para verificar. O mundo, o outro são marcas, peças que validam o jogo diário pelo poder e realização.

Confrontar é isolar-se, separar-se dos outros. Viver assim sozinho, esperando o que supre ou aumenta o vazio, é o resultado final das constantes comparações realizadas. Avaliar, esvaziar, isolar desumaniza.

















- “Os Transparentes” de Ondjaki
- “Um Preço Muito Alto” de Carl Hart

verafelicidade@gmail.com

Comentários

  1. Gostei muito! Em muitos momentos me sinto assim!
    A nova foto está ótima.
    Ana Cristina

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que você gostou, Ana.
      Aquela foto estava boa, mas achei esta melhor.
      Beijos, Vera

      Excluir

Postar um comentário

Os mais lidos

Oprimidos e submissos

Sonho e mentiras

Zeitgeist ou espírito da época

Polarização e Asno de Buridan

Mistério e obviedade

Misantropo

A ignorância é um sistema

Formação de identidade

“É milagre ou ciência?”

A possibilidade de transformação é intrínseca às contradições processuais