Permanência, abandono e entusiasmo


Quanto mais voltado para o futuro, mais manutenção do esforço e consequentemente a busca de permanência, de estabelecimento e adaptação nos relacionamentos são uma constante. Na continuidade surge o abandono como solução para o que é conflituosamente vivenciado.

A permanência no que se pretende transpor é um paradoxo que se acredita levar à consecução de objetivos. Frequentemente encontramos pessoas que mantêm relacionamentos, casamentos, acordos e acertos, em uma permanência paradoxal pois sabem que resultará em corte. Apesar das inúmeras justificativas que acumulam, a utilização e aproveitamento das situações são incontestáveis. 

A atitude de abandono resulta da catalogação do que é adequado ou inadequado. Vivenciar algo como superado após tudo ser extraído da situação, evidencia sempre atitudes predatórias seja no relacionamento, seja na relação com o cotidiano, com recursos naturais ou com familiares. No abandono se evidencia a utilização do outro, a utilização de situações em função dos próprios referenciais e desejos. Nessa polaridade, na qual os desejos e sonhos estão espremidos, é que se contextualiza as manutenções e abandonos. 

Atitudes de permanência, abandono e entusiasmo decorrem de motivações e posicionamentos, ou seja de dinâmicas diversas. Quando existe medo, surge a necessidade de certezas com comparações e regras que devem ser atendidas. Quanto mais pontualizadas as vivências, mais difícil transcendê-las. 

Apenas no encontro se estrutura entusiasmo, prazer de estar com o outro, sentido ineludível de presença e do presente.

Com autenticidade, o entusiasmo resulta de desapego, disponibilidade criadora de certeza, autonomia, confiança e aceitação de si, dos outros e dos limites. O entusiasmo requer visualização ampla, perspectiva que enseja novos caminhos e contradições.


Comentários

  1. Vera, desejo a você um Feliz Natal, com muita saúde, pra continuar passando sua mensagem de lucidez, sabedoria e fé na vida. Gratidão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Nilma, feliz natal para você também e boa passagem de ano. Beijo!

      Excluir
  2. Sempre tão sensata. Feliz 2021 Vera.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Os mais lidos

Oprimidos e submissos

Sonho e mentiras

Zeitgeist ou espírito da época

Polarização e Asno de Buridan

Mistério e obviedade

Misantropo

A ignorância é um sistema

Formação de identidade

“É milagre ou ciência?”

A possibilidade de transformação é intrínseca às contradições processuais